Pular para o conteúdo principal

Por que "Mulher-Maravilha" é um Filme Importante


Eu tenho sido um grande entusiasta do filme da Mulher-Maravilha nas minhas redes sociais, e tenho aproveitado toda oportunidade para divulgar algo que sai sobre ele no espacinho do meu pequeno blog. Tenho mesmo! Com isso outro dia me perguntaram: “Mas como você sabe que o filme vai ser bom?” e a resposta é bem simples, eu não sei! Na verdade, com a estreia se aproximando eu tenho ficado cada vez mais tenso pois é a minha heroína favorita chegando aos cinemas, eu quero muito que venha aí um filme excelente e eu não tenho ideia se ele será. Mas existe uma certeza que eu tenho e é nela que se baseia toda essa minha promoção do filme, a de que ele importantíssimo!  

Por isso resolvi fazer esse texto faltando cerca de 9 dias para a estreia, para explicar um pouco o que faz dele mais que só outro filme de super heróis dentre os vários que temos todo ano e porque é tão importante que ele se saia bem. Talvez você conheça muitos dos motivos a seguir, talvez conheça, mas não tenha os considerado, então vamos lá?

Protagonismo Feminino

Este é o primeiro e talvez o mais obvio dos motivos, porém isso não tira sua importância, ele é inclusive o principal deles. Chegamos a um ponto onde temos cerca de quatro a cinco filmes de super-heróis por ano, porém desde essa virada do gênero que aconteceu em 2008, nenhum deles trouxe uma super heroína no papel principal. Pegue o exemplo da concorrente direta da DC, a Marvel, onde todos os principais Vingadores tem filme solo, menos a Viúva Negra. Não precisa ir longe, a chamada “trindade” da DC Comics é formada por Batman, Superman e Mulher-Maravilha, porém enquanto os rapazes já tiveram diversas versões cinematográficas, essa é a primeira vez da Amazona nos cinemas em 75 anos desde que foi criada!

Hollywood tem se escondido nos anos recentes atrás da justificativa de que filmes protagonizados por mulheres fracassam, tomando como exemplo “Elektra” (2005) e “Mulher-Gato” (2004), filmes realizados antes dessa nova era do gênero e que fracassaram não pelo sexo da protagonista, mas porque eram filmes muito ruins! Atrizes ganham menos e tem menos papeis de primeira linha para fazer porque quando se trata de uma protagonista feminina o projeto não é feito com seriedade e isso desperdiça potencial não só de talentos, mas de historias e personagens. O destino das super heroínas no cinema, seja da DC ou da Marvel, está nas mãos do resultado do filme da Mulher-Maravilha e seu desempenho será crucial para virar este jogo!

Referencia para as meninas...e para os meninos!


Isso é crucial! A consequência desse protagonismo é dar as meninas alguém para olharem, para se admirarem e que as inspire! É dar as meninas aquela sensação que os meninos tem quando querem ser seu super herói favorito! E não que uma menina não possa querer ser o Wolverine ou o Thor, elas podem e devem, mas ter uma igual diante de si mostrando que para você é tão possível quanto para eles faz toda a diferença. O movimento “fight like a girl” é necessário e uma heroína para representá-lo daria um novo gás a proposta, quem melhor que a primeira grande super heroína para tanto?

Nesse mesmo tópico entra a questão dos meninos também. Se quisermos ver esses garotos crescendo com a imagem feminina igualitária a masculina, ter uma heroína para que eles possam sim também admirar e se espelhar é mais que necessário! Colocar uma heroína em papel principal é também dar a meninos a possibilidade de ter uma mulher como seu super-herói favorito. Em uma das entrevistas de divulgação do filme a diretora Patty Jerkins disse que hoje é mais fácil um estúdio aprovar um filme com um orangotango como personagem universal que conversa com todos os públicos que com uma mulher. É isso que muda quando você coloca uma heroína a frente.

Temos uma diretora em uma super produção!


Falando na diretora, ela é mais um importante motivo para que esse filme aconteça. Essa é a primeira vez que um orçamento de mais de 100 milhões de dólares, valor comum na roda dos grandes projetos de Hollywood, é confiado a uma diretora. Inclusive, mesmo com mais de quatro filmes de super heróis por ano de 2008 pra cá, essa é a segunda vez que uma diretora assume uma adaptação de quadrinhos e a primeira foi em um projeto infinitamente menor (Justiceiro – Zona de Guerra).

De repente o resultado desse filme não vai definir apenas o futuro de super heroínas e protagonistas femininas em Hollywood, mas também de diretoras! A Warner fez o correto ao entregar uma personagem feminina nas mãos de uma mulher, porém no circulo machista da sétima arte, projetos assim só vão se repetir se for identificado interesse neste. Patty Jerkins é extremamente competente, tem uma visão interessante como diretora, seu ultimo filme de destaque, “Monster”, inclusive rendeu a Charlize Theron um Oscar. Nomes dessa competência precisam de mais oportunidade e infelizmente, precisam se provar mais do que diretores, que com currículo muito melhor consegue esses projetos.

Vá Conferir!


Minha intenção com este texto é não só justificar todo meu apoio a um filme ainda não lançado, mas também reforçar o convite que faço em todo review que escrevo, que é o de que não importa o que você leia sobre (e o embargo de Mulher-Maravilha cairá em breve), vá conferir e viver sua própria experiência cinematográfica. Isso é sempre importante e neste caso mais que nunca. No dia da estreia postarei um review do filme, por hora, eis uma personagem interessante, inédita e nascida de um projeto bem legal que vale ir conhecer!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Pantera Negra

Antes de começar nossa conversa, gostaria de ressaltar que aqui discutirei apenas o filme enquanto produção. Existe uma forte e IMPORTANTÍSSIMA discussão cultural e social que é parte indispensável do longa, porém eu não faço parte dessa demografia, posso fazer uma ideia, mas não conheço essa importância, essa vivencia, então posteriormente pretendo convidar algum representante da comunidade negra para escrever sobre essa parte aqui.
Por hora, vamos discutir o filme, e que filme! Apesar de grande fã do Marvel Studios e defensor do reconhecimento de sua liderança no gênero de super-heróis, já venho a algum tempo criticando a falta de seriedade e o quê formulatico de seu universo, constantemente contendo suas produções em tom e não os permitindo “engrossar” a conversa. Pois finalmente o estúdio se permite ultrapassar esse limite com Pantera Negra.
Esse é sem duvidas um filme de super-heróis, porém ele é mais que isso. Aqui se fala sobre tradição, cultura, crença e especialmente se que…

Review: Mãe!

Se tratando de um filme tão diferente quanto Mãe!, não é estranho que esse vá ser um review diferente. Neste review em especial eu vou falar o que achei do filme e o que entendi dele, por essa razão já darei um aviso: se você não assistiu ao filme ainda, pare por aqui e volte apenas quando tiver assistido. Digo isso porque o filme é pura metáfora e simbologia, deixando passível a diversas interpretações e a melhor maneira de descobrir a sua é ir ao cinema sem influências.
Ainda aqui? Ok, vamos lá. Eu estranhei muito quando, ao fim da sessão, ouvi alguém dizer algumas filas acima de mim: “- Não entendi nada”. Vivemos em uma sociedade de grande maioria religiosa ou de pelo menos criação religiosa e onde a Bíblia Sagrada é o livro mais vendido do mundo, sendo assim, como é possível que as pessoas tenham dificuldade em entender uma analogia a ela quando veem? Pois pra mim essa foi a interpretação primaria de Mãe!, uma grande releitura da Bíblia, desde Gênesis até o Apocalipse, em uma ve…