Pular para o conteúdo principal

Review: A Bela e a Fera


Apesar de ter visto a Disney acertar a formula de seus remakes live-action de suas próprias animações clássicas após erros como Alice e Malevola nos competentes Cinderella e Mogli, era impossível não sentir um frio na barriga ao entrar na sessão de A Bela e a Fera. Aqui estávamos falando do conto antigo como o tempo, aqui era a reimaginação da animação que marcou minha geração quase inteira, e claramente eles sabiam do peso da responsabilidade, pois a nova versão é mágica!
O estúdio sustentou a decisão acertada dos dois filmes anteriores de se manter fiel a animação responsável por esse remake, apenas expandindo o conto. Assim você revisita a historia em sua versão “carne e osso”, mas descobre novos fatos que contribuem a ela, aos personagens e a narrativa no geral. Em A Bela e a Fera, porém esse serviço ganha novos níveis, pois além de expandir o conto, eles o deixam mais sofisticado, adaptando a historia ao nosso momento social e também deixam o desenvolvimento mais crível. Se antes a protagonista apenas gostava de ler e se sentia deslocada na aldeia, aqui ela tem propósito, se opõem aos machismos locais, tenta repassar seu conhecimento a meninas limitadas ao serviço caseiro e é claro, sofre a retaliação das pequenas mentes locais por isso. São momentos chave como esse que trazem outras camadas aos personagens e fazem criticas sociais relevantes!
Essas novas camadas são reforçadas também pelas performances. Emma Watson incorpora o carisma esperto da Bela original, porém a faz mais forte, mais certa do que quer e especialmente do que não quer, fazendo todas as afirmações que faltavam no original. Contribuindo para a construção dela também está o Maurice de Kevin Kline, que aqui não é estereotipado como no original, pelo contrário, é o espelho que mostra como a moça se tornou tão doce, tão inteligente e tão positiva. Já Luke Evans entende como precisava manter o estereótipo de Gaston, ma adiciona novos nuances de maldade que o fazem um verdadeiro vilão. Completando os protagonistas, a Fera de Dan Stevens se torna muito mais interessante quando retratado como alguém inteligente, alguém com algo em comum com a protagonista e que justifique ela se apaixonar. Ele é eficaz também em fazer uma transação convincente entre o gênio terrível que o condenou e as boas vertentes que o salvam.
O elenco de apoio não fica devendo em nada em relação aos protagonistas. Lefou perde em muito o estereótipo de bobo, cai um pouco no estereótipo gay, porém seu questionamento as ações de Gaston e a virada final, somada a interpretação um pouco mais clara de sua sexualidade contribuem de novo com o discurso do filme. Os criados do castelo ganham o carisma necessário nas mãos de Ewan McGregor (Luimiere), Ian McKellen (Horloge) e Emma Thompson (Mrs.Potts), com personalidades muito inspiradas na animação, mas com pequenos toques pessoais que os deixam bastante interessantes.
Visualmente o filme é incrível. Acho possível afirmar que dessa vez a Disney não fez um longa, fez um conto de fadas. Os cenários em maioria práticos são imersivos, carregados em detalhes quais certamente a cada revisita você descobre algo novo e ainda assim com aquela artificialidade necessária para soar lírico. O design de personagens também encanta, especialmente por essa aura fabulosa, logo, quando a Fera não é exatamente realista, ela cabe no contexto. As soluções para os objetivos são inspiradas, com talvez apenas Mrs. Potts e Tips saindo prejudicados, mas em muito por falta de opção.
Por ultimo, mas não menos importante, a produção toma a sabia decisão de abraçar a faceta de musical da animação, resgatando os músicos originais para preencher o tempo maior de duração com canções novas que mantenham o ritmo de musical clássicos do longa. É difícil dizer se as musicas novas são tão boas quanto as anteriores até pela importância nostálgica, mas sem duvidas elas cabem no contexto e alcançam a qualidade do filme.
Conseguindo a proeza de reproduzir toda a mágica do clássico de 1991 e prestando um serviço aquele universo, essa nova versão de A Bela e a Fera é tudo que se espera de um conto de fadas em live-action. É possível acreditar na magia, no romance e se encantar mais uma vez e de forma diferente pela canção antiga como o ritmo. Lindo!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que o Live-action de Mulan Não Será um Remake da Animação

Assim como parte do publico pela internet a fora, eu vinha incomodado com o fato do live-action de Mulan estar tomando uma forma bem diferente da animação clássica de 1998 lançada pela Disney. Afinal, desde Cinderella (2015), o estúdio vem conquistando o publico adulto através da nostalgia, com versão “em carne e osso” das historias com as quais crescemos, acrescentando no máximo uma camada a mais nas modernizadas versões com atores reais em cena. Foi esse incomodo com a mudança de estratégia que me fez ir pesquisar sobre, o que acabou me fazendo entender os motivos por trás dessa decisão e inclusive me converter, pois comercialmente é sim o caminho correto a se seguir.
O que diferencia Mulan de projetos como Cinderella, Mogli e A Bela e a Fera é uma questão bem objetiva: a China. E não, a Disney não está tomando decisões por causa da cultura ou das tradições chinesas, longe disso, o que está sendo levado em conta aqui é o que pode fazer o filme ter um retorno financeiro melhor, e ne…

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Venom

Desde seu renascimento em 2000 com o primeiro X-men, as adaptações de quadrinhos seguiram um longo percurso. Hoje é possível dividir essa era moderna dos super heróis em duas fases: Entre 2000 e 2008, onde o cinema estava brincando com gênero da maneira que sabia ou conseguia, e o pós 2008, onde Cavaleiro das Trevas e o surgimento do Marvel Studios com Homem de Ferro redefiniram o conceito e a forma de trabalhar esse conteúdo. Mais recentemente, títulos como Logan, Pantera Negra, Deadpool e Mulher-Maravilha abriram novos e mais refinados horizontes cinematográficos para o gênero. Eis que agora vem Venom proporcionar retrocesso.
Sim, pois essa é uma perfeita adaptação de quadrinhos de 2004 ou 2006. Desde o roteiro recheado a clichês e diálogos absurdamente expositivos a um vilão da profundidade de um pirex que só aparece para reforçar artificialmente como é mal, o filme parece se esforçar em repetir erros que eu achei que o gênero já tinha aprendido a não cometer. Inclusive, o banal …