Pular para o conteúdo principal

Review: Fragmentado


Se existia um consenso sobre Hollywood nos últimos anos era o de que o diretor genial e promissor M. Night Shyamalan tinha se perdido em algum lugar pelo caminho. As experiências tensas e maravilhosas proporcionadas por ele de “O Sexto Sentido” até “A Vila” jamais se repetiram nos filmes que vieram a partir dali. Até agora, pois é com muita alegria que confirmo: Shyamalan está de volta!
O que vemos em “Fragmentado” é toda a formula criada e desenvolvida por ele em seus primeiros filmes, aplicada com a maestria que só ele sabe fazer e parecia ter se esquecido de como. Roteiro, ambientação, plot twist, tudo trabalha para desenvolver uma trama complexa, instigante, proporcionando o suspense e horror psicológicos que espantam mais que qualquer filme de terror gore. Ele trabalha aqui não só a já desesperadora situação do sequestro, mas também a da instabilidade, a de não saber com quem se está lidando. Pior que um sequestrador maníaco, só um com 23 personalidades diferentes e que assumem a frente quando menos se espera.
Essas personalidades só são aterrorizantes e efetivas graças ao talento de James McAvoy (Kevin). Eu já era muito fã do jovem Professor Xavier, mas aqui ele mostra uma versatilidade absurda e um talento inquestionável. Com a câmera em maioria das vezes focada em seu rosto, ele consegue não só representar personalidades muito distintas de forma muito convincente, mas também transitar entre elas sem a menor dificuldade. Antes da metade do filme você já reconhece as principais, sabe com quem está lidando e está convencido de que ali está outra pessoa.
Outra que merece destaque é Anya Taylor-Joy com sua Casey que, diferente das outras meninas sequestradas, é de uma sobriedade digna de quem, ao contrário das amigas, não viveu sob proteção, claramente não compartilha da ingenuidade delas e é alguém que não encara aquela situação com pavor, mas como desafio. Tranquilamente a personagem poderia soar forçada, o mérito dela é fazer este perfil convincente como faz. Destaco também a menina Izzie Coffey, na expressiva versão mais nova da personagem!
Shyamalan é genial também em fazer de Cassey uma filha de caçador, em contraste com o alter-ego de “Besta” da 24ª personalidade do sequestrador, e com a revelação de onde ele vive. Os corredores da casa de Kevin, os cômodos que funcionam como pastas dentro de pastas que vão se abrindo, são inúmeras as analogias espalhadas pelo filme e que dão mais e mais profundidade a trama.
O que temos com “Fragmentado” e um novo clássico moderno do suspense, uma lista para qual o diretor contribuiu muito quando surgiu e finalmente volta a contribuir. Vale o ingresso, vale o replay, vale as indicações que há tempos ele não vê e a que McAvoy tanto espera.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que o Live-action de Mulan Não Será um Remake da Animação

Assim como parte do publico pela internet a fora, eu vinha incomodado com o fato do live-action de Mulan estar tomando uma forma bem diferente da animação clássica de 1998 lançada pela Disney. Afinal, desde Cinderella (2015), o estúdio vem conquistando o publico adulto através da nostalgia, com versão “em carne e osso” das historias com as quais crescemos, acrescentando no máximo uma camada a mais nas modernizadas versões com atores reais em cena. Foi esse incomodo com a mudança de estratégia que me fez ir pesquisar sobre, o que acabou me fazendo entender os motivos por trás dessa decisão e inclusive me converter, pois comercialmente é sim o caminho correto a se seguir.
O que diferencia Mulan de projetos como Cinderella, Mogli e A Bela e a Fera é uma questão bem objetiva: a China. E não, a Disney não está tomando decisões por causa da cultura ou das tradições chinesas, longe disso, o que está sendo levado em conta aqui é o que pode fazer o filme ter um retorno financeiro melhor, e ne…

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Venom

Desde seu renascimento em 2000 com o primeiro X-men, as adaptações de quadrinhos seguiram um longo percurso. Hoje é possível dividir essa era moderna dos super heróis em duas fases: Entre 2000 e 2008, onde o cinema estava brincando com gênero da maneira que sabia ou conseguia, e o pós 2008, onde Cavaleiro das Trevas e o surgimento do Marvel Studios com Homem de Ferro redefiniram o conceito e a forma de trabalhar esse conteúdo. Mais recentemente, títulos como Logan, Pantera Negra, Deadpool e Mulher-Maravilha abriram novos e mais refinados horizontes cinematográficos para o gênero. Eis que agora vem Venom proporcionar retrocesso.
Sim, pois essa é uma perfeita adaptação de quadrinhos de 2004 ou 2006. Desde o roteiro recheado a clichês e diálogos absurdamente expositivos a um vilão da profundidade de um pirex que só aparece para reforçar artificialmente como é mal, o filme parece se esforçar em repetir erros que eu achei que o gênero já tinha aprendido a não cometer. Inclusive, o banal …