Pular para o conteúdo principal

Review: Guardiões da Galáxia Vol.2


O primeiro Guardiões da Galáxia foi a maior surpresa proporcionada pelo Marvel Studios e isso é indiscutível. O filme era visto como o primeiro “flop” do estúdio por trazer personagens que ninguém conhecia em uma proposta que fugia completamente do que o universo cinematográfico proposto por eles até então apresentava. Foi um sucesso.
Esse sucesso já reflete na data de lançamento, que mudou do fim do verão americano no primeiro para o início dele no segundo, mas reflete também em uma questão mais importante e que precisa ser entendida: o efeito surpresa passou. Uma vez que já se provaram, Guardiões não tem em sua continuação aquele gostinho de novidade e isso é normal. A obrigação do filme não era se reinventar na sequência, mas dar continuidade a sua história, o que ele faz. Dito isso, que ótimo filme é o “Vol.2”!
Minhas duas sequências favoritas do gênero até hoje são “X-Men 2” (2003) e “Homem Aranha 2” (2004) justamente porque elas se propõe a pegar o que existe de melhor no original e levar a um nível acima. Isso é exatamente o que este “Vol.2” faz, sem inventar a roda, aqui reencontramos os personagens em uma jornada que condiz com onde os deixamos, que desenvolve suas relações e nos leva a conhece-los mais. Eu inclusive não tinha gostado da adição de Yondu e Nebulosa como novos membros, uma vez que existem personagens melhores nas hqs, porém faz todo sentido, a adição dos dois ao grupo trabalha junto com o desenvolvimento dos personagens e contribui muito não só para a história, mas para o passo que ela precisava dar.
Interessante inclusive como esses novos personagens brilham e são até mais atrativos que a equipe principal, não que ela seja ofuscada, James Gunn é excelente em construir relações e sabe como somar esses personagens de forma inteligente (reparem como eles são trabalhados em duplas), mas até mesmo Nebulosa, cujo arco eu detestava no primeiro, aqui é bem mais interessante. Maravilhoso também é o trabalho com o vilão, pois até hoje eu tenho sido bastante crítico com a qualidade dos vilões apresentados pelo MCU e aqui temos o melhor até hoje, não só pela surpresa bem bolada e bem escondida, mas pela forma como o mesmo se estabelece. Outra das minhas preocupações era de pesar a mão no Baby Groot por razões comerciais, mas olha, não só não pesa como ele ainda até deixa um pouco a desejar.
Visualmente o filme é impecável. Eu não sou um grande fã da tecnologia 3D, mas Guardiões é um filme para ser visto na melhor sala IMAX 3D disponível, as cenas de ação, os cenários, tudo é muito cheio de detalhes, de cores e impressiona muito se visto no formato ideal. Claramente o orçamento não foi limitado dessa vez e o diretor pode colocar a imaginação em prática, tudo é  muito elaborado, criativo e grandioso.
Não é como se o filme não tivesse seus problemas também, ele tem, mas entre piadas demais que não funcionam sempre, um Baby Groot menos interessante que o prometido e um segundo ato comumente arrastado para esse tipo de produção, ele entrega demais para ser prejudicado por isso. Acho tranquilo dizer que Guardiões é a melhor franquia no MCU hoje e vale muito o ingresso. Espero que não perca a individualidade ao se misturar aos demais títulos.

Comentários

  1. ENTÃO - o filme é maravilhoso!!! Assisti em IMAX 3D e tem uma qualidade impecável! Achei a história coerente, todos personagens tiveram destaque devido, emocionei com o final que não é previsível pra quem não acompanha os quadrinhos. A trilha sonora é perfeita e soa muito bem com o filme. Achei o filme grande, mas necessário. Espero o 3 ansiosamente. DESTAQUE para o Groot que eu esperava que fosse crescer mas quem sabe no próximo! Parabéns pelo review ficou ótimo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Pantera Negra

Antes de começar nossa conversa, gostaria de ressaltar que aqui discutirei apenas o filme enquanto produção. Existe uma forte e IMPORTANTÍSSIMA discussão cultural e social que é parte indispensável do longa, porém eu não faço parte dessa demografia, posso fazer uma ideia, mas não conheço essa importância, essa vivencia, então posteriormente pretendo convidar algum representante da comunidade negra para escrever sobre essa parte aqui.
Por hora, vamos discutir o filme, e que filme! Apesar de grande fã do Marvel Studios e defensor do reconhecimento de sua liderança no gênero de super-heróis, já venho a algum tempo criticando a falta de seriedade e o quê formulatico de seu universo, constantemente contendo suas produções em tom e não os permitindo “engrossar” a conversa. Pois finalmente o estúdio se permite ultrapassar esse limite com Pantera Negra.
Esse é sem duvidas um filme de super-heróis, porém ele é mais que isso. Aqui se fala sobre tradição, cultura, crença e especialmente se que…

Review: Mãe!

Se tratando de um filme tão diferente quanto Mãe!, não é estranho que esse vá ser um review diferente. Neste review em especial eu vou falar o que achei do filme e o que entendi dele, por essa razão já darei um aviso: se você não assistiu ao filme ainda, pare por aqui e volte apenas quando tiver assistido. Digo isso porque o filme é pura metáfora e simbologia, deixando passível a diversas interpretações e a melhor maneira de descobrir a sua é ir ao cinema sem influências.
Ainda aqui? Ok, vamos lá. Eu estranhei muito quando, ao fim da sessão, ouvi alguém dizer algumas filas acima de mim: “- Não entendi nada”. Vivemos em uma sociedade de grande maioria religiosa ou de pelo menos criação religiosa e onde a Bíblia Sagrada é o livro mais vendido do mundo, sendo assim, como é possível que as pessoas tenham dificuldade em entender uma analogia a ela quando veem? Pois pra mim essa foi a interpretação primaria de Mãe!, uma grande releitura da Bíblia, desde Gênesis até o Apocalipse, em uma ve…