Pular para o conteúdo principal

Review: Guardiões da Galáxia Vol.2


O primeiro Guardiões da Galáxia foi a maior surpresa proporcionada pelo Marvel Studios e isso é indiscutível. O filme era visto como o primeiro “flop” do estúdio por trazer personagens que ninguém conhecia em uma proposta que fugia completamente do que o universo cinematográfico proposto por eles até então apresentava. Foi um sucesso.
Esse sucesso já reflete na data de lançamento, que mudou do fim do verão americano no primeiro para o início dele no segundo, mas reflete também em uma questão mais importante e que precisa ser entendida: o efeito surpresa passou. Uma vez que já se provaram, Guardiões não tem em sua continuação aquele gostinho de novidade e isso é normal. A obrigação do filme não era se reinventar na sequência, mas dar continuidade a sua história, o que ele faz. Dito isso, que ótimo filme é o “Vol.2”!
Minhas duas sequências favoritas do gênero até hoje são “X-Men 2” (2003) e “Homem Aranha 2” (2004) justamente porque elas se propõe a pegar o que existe de melhor no original e levar a um nível acima. Isso é exatamente o que este “Vol.2” faz, sem inventar a roda, aqui reencontramos os personagens em uma jornada que condiz com onde os deixamos, que desenvolve suas relações e nos leva a conhece-los mais. Eu inclusive não tinha gostado da adição de Yondu e Nebulosa como novos membros, uma vez que existem personagens melhores nas hqs, porém faz todo sentido, a adição dos dois ao grupo trabalha junto com o desenvolvimento dos personagens e contribui muito não só para a história, mas para o passo que ela precisava dar.
Interessante inclusive como esses novos personagens brilham e são até mais atrativos que a equipe principal, não que ela seja ofuscada, James Gunn é excelente em construir relações e sabe como somar esses personagens de forma inteligente (reparem como eles são trabalhados em duplas), mas até mesmo Nebulosa, cujo arco eu detestava no primeiro, aqui é bem mais interessante. Maravilhoso também é o trabalho com o vilão, pois até hoje eu tenho sido bastante crítico com a qualidade dos vilões apresentados pelo MCU e aqui temos o melhor até hoje, não só pela surpresa bem bolada e bem escondida, mas pela forma como o mesmo se estabelece. Outra das minhas preocupações era de pesar a mão no Baby Groot por razões comerciais, mas olha, não só não pesa como ele ainda até deixa um pouco a desejar.
Visualmente o filme é impecável. Eu não sou um grande fã da tecnologia 3D, mas Guardiões é um filme para ser visto na melhor sala IMAX 3D disponível, as cenas de ação, os cenários, tudo é muito cheio de detalhes, de cores e impressiona muito se visto no formato ideal. Claramente o orçamento não foi limitado dessa vez e o diretor pode colocar a imaginação em prática, tudo é  muito elaborado, criativo e grandioso.
Não é como se o filme não tivesse seus problemas também, ele tem, mas entre piadas demais que não funcionam sempre, um Baby Groot menos interessante que o prometido e um segundo ato comumente arrastado para esse tipo de produção, ele entrega demais para ser prejudicado por isso. Acho tranquilo dizer que Guardiões é a melhor franquia no MCU hoje e vale muito o ingresso. Espero que não perca a individualidade ao se misturar aos demais títulos.

Comentários

  1. ENTÃO - o filme é maravilhoso!!! Assisti em IMAX 3D e tem uma qualidade impecável! Achei a história coerente, todos personagens tiveram destaque devido, emocionei com o final que não é previsível pra quem não acompanha os quadrinhos. A trilha sonora é perfeita e soa muito bem com o filme. Achei o filme grande, mas necessário. Espero o 3 ansiosamente. DESTAQUE para o Groot que eu esperava que fosse crescer mas quem sabe no próximo! Parabéns pelo review ficou ótimo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Por que o Live-action de Mulan Não Será um Remake da Animação

Assim como parte do publico pela internet a fora, eu vinha incomodado com o fato do live-action de Mulan estar tomando uma forma bem diferente da animação clássica de 1998 lançada pela Disney. Afinal, desde Cinderella (2015), o estúdio vem conquistando o publico adulto através da nostalgia, com versão “em carne e osso” das historias com as quais crescemos, acrescentando no máximo uma camada a mais nas modernizadas versões com atores reais em cena. Foi esse incomodo com a mudança de estratégia que me fez ir pesquisar sobre, o que acabou me fazendo entender os motivos por trás dessa decisão e inclusive me converter, pois comercialmente é sim o caminho correto a se seguir.
O que diferencia Mulan de projetos como Cinderella, Mogli e A Bela e a Fera é uma questão bem objetiva: a China. E não, a Disney não está tomando decisões por causa da cultura ou das tradições chinesas, longe disso, o que está sendo levado em conta aqui é o que pode fazer o filme ter um retorno financeiro melhor, e ne…

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Venom

Desde seu renascimento em 2000 com o primeiro X-men, as adaptações de quadrinhos seguiram um longo percurso. Hoje é possível dividir essa era moderna dos super heróis em duas fases: Entre 2000 e 2008, onde o cinema estava brincando com gênero da maneira que sabia ou conseguia, e o pós 2008, onde Cavaleiro das Trevas e o surgimento do Marvel Studios com Homem de Ferro redefiniram o conceito e a forma de trabalhar esse conteúdo. Mais recentemente, títulos como Logan, Pantera Negra, Deadpool e Mulher-Maravilha abriram novos e mais refinados horizontes cinematográficos para o gênero. Eis que agora vem Venom proporcionar retrocesso.
Sim, pois essa é uma perfeita adaptação de quadrinhos de 2004 ou 2006. Desde o roteiro recheado a clichês e diálogos absurdamente expositivos a um vilão da profundidade de um pirex que só aparece para reforçar artificialmente como é mal, o filme parece se esforçar em repetir erros que eu achei que o gênero já tinha aprendido a não cometer. Inclusive, o banal …