Pular para o conteúdo principal

Review: Logan


Pergunte a qualquer pessoa na minha faixa de idade e ela dirá que não parece terem se passado 17 anos desde o lançamento de “X-men: O Filme”. Um filme que, além abrir as portas para a retomada do até ali extinto gênero de super heróis, trouxe rostos até então do cinema independente e de arte para o publico mainstream e também apresentou rostos novos que graças a ele se tornaram grandes. Dentre os estreantes estava Hugh Jackman, um australiano do teatro e dos musicais que, quem diria, viria a se tornar o único Wolverine.
Em quase duas décadas o cinema e o gênero mudaram, a franquia se renovou, se reescalou, mas Jackman continuou consolidado como o carcaju canadense no qual simplesmente se transformou, algo inacreditável para os que reclamaram até de sua estatura quando foi anunciado. E essa performance tão longa e tão convincente não poderia receber despedida mais digna do que “Logan”, filme no qual retoma parceria com o diretor James Mangold de “The Wolverine” para seu ultimo ato com o personagem.
A primeira grande característica de Logan é justamente essa, ser sobre o personagem, o que faz seu titulo mais que assertivo. Não que o filme não tenha seus contornos de blockbuster, as sequencias de ação não são megalomaníacas, porém são absurdamente frenéticas e decentes, dignas de super produções, porém é na família que o coração do filme mora, como deve ser. Que doloroso é ver Charles e Logan chegando ao ponto máximo do desgaste, ver os dois poderoso e invencíveis mutantes que conhecemos vencidos pelo tempo, por terem vivido muito, vivido demais. Que delicado é ver Logan cuidando do antigo mentor agora debilitado pela doença e pela idade pois é o que precisa fazer. Ainda mais delicado quando se descobre que, perante um surto de ofensa do idoso Charles, Logan se cala, mesmo perante a oportunidade da mais cruel das verdades, qual por amor ao “pai”, o ajuda a esquecer.  Nessa primeira relação a força se encontra na performance digna de Oscar de Patrick Stewart, entregando um Xavier jamais visto, um Xavier quebrado.
c2moujwuaaa8ysw
E se a dramática relação dos dois já encheria um filme inteiro, eis que surge Laura. A relação pai e filha de Wolverine com a X23 tem tantas camadas que te atinge por lados que você nem espera. Eis ali para ele uma lembrança da responsabilidade X-men, de quando podia ajudar uma garotinha a ser salva e de um reflexo dele mesmo e do que queriam que ele fosse, caminho do qual saiu e do qual sabe que pode a resgatar também. E o talento da menina Dafne Keen é primordial para esse desenvolvimento, pois minúscula, ela é um Wolverine no corpo de uma garotinha, faz jus a ele e em alguns momento até o supera, não só fisicamente (sério, as lutas dela são mais intensas que as dele), mas também emocionalmente. Ela não apenas aprende com ele, ela o desafia e consegue o desafiar.
c2mo2kfveaunnr1
Igualmente digna de prêmios também é a performance de Hugh Jackman. Em todos esses anos ele construiu a assinatura de seu Logan, é possível a ver aqui, mas é como se dessa vez fosse possível ver o personagem de forma mais transparente. Aqui conhecemos o homem, vemos as marcas do que ele viveu e reconhecemos os sentimentos que o fazem quem é. Um homem que se recusou trilhar a obviedade de tudo que sofreu e fazer algo melhor, sempre pelos outros e não por ele mesmo.
O elenco de apoio do filme ainda conta com um Caliban (Stephen Merchan) essencial a trama e que contribui em muito para o arco de Logan e Xavier e um Donald Pierce (Boyd Holbrook) vilanescamente carismático. O filme conta com poucos personagens e com isso consegue trazer apenas figuras com função no roteiro, uma qualidade poucas vezes vista em filmes do gênero, quase sempre lotados.
Tecnicamente o filme também impressiona. Tão sujo e desgastado quanto a vida de seus personagens, nada é bonito, ou é de uma beleza feia. Os cenários não são grandiosos, são amargos, dão os contornos de um filme feito com menos dinheiro, mas muita identidade. Destaque também para as sequencias de ação extremamente bem coreografadas e viscerais, de uma violência que não é gratuita, mas necessária, vinda para carregar a consequência de ser a arma que o protagonista é.
Fazendo referencias sutis que o amarram a toda a trajetória do Wolverine e dos X-men até aqui e se permitindo a contar algo novo, “Logan” é como um vento que bate no rosto relembra  momentos bons, é aquele abraço de despedida carregado de angustia. “Logan” é inteiramente sobre os sentimentos. Um filme absurdamente emocional, sobre o peso da consequência, sobre vida, morte, conclusão. Ele não fecha a franquia em si, mas fecha claramente o trabalho iniciado no primeiro filme de 2000 como um terceiro ato da historia começada ali. E que terceiro ato decente! Bonito! Se esse realmente foi o ultimo filme do ator na pele do Wolverine, ele foi mais que uma despedida digna, foi uma comprovação de que ele não deve ser substituído.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Review: Mãe!

Se tratando de um filme tão diferente quanto Mãe!, não é estranho que esse vá ser um review diferente. Neste review em especial eu vou falar o que achei do filme e o que entendi dele, por essa razão já darei um aviso: se você não assistiu ao filme ainda, pare por aqui e volte apenas quando tiver assistido. Digo isso porque o filme é pura metáfora e simbologia, deixando passível a diversas interpretações e a melhor maneira de descobrir a sua é ir ao cinema sem influências.
Ainda aqui? Ok, vamos lá. Eu estranhei muito quando, ao fim da sessão, ouvi alguém dizer algumas filas acima de mim: “- Não entendi nada”. Vivemos em uma sociedade de grande maioria religiosa ou de pelo menos criação religiosa e onde a Bíblia Sagrada é o livro mais vendido do mundo, sendo assim, como é possível que as pessoas tenham dificuldade em entender uma analogia a ela quando veem? Pois pra mim essa foi a interpretação primaria de Mãe!, uma grande releitura da Bíblia, desde Gênesis até o Apocalipse, em uma ve…

Ranking: Os filmes de Super-Heróis de 2017!

Antes de começar essa lista preciso destacar algo importante: não tivemos nenhum filme ruim do
gênero de super-heróis esse ano! Importantíssimo pois mostra o crescimento do segmento em
Hollywood e a preocupação com a qual estúdios tem o tratado, além de atestar contra a suposta
fadiga que vem sendo profetizada por anos. Nesse ritmo ela vai demorar a acontecer. Sem mais
delongas, vamos ao ranking dos meus favoritos.

1 - Logan Sem exagero, Logan é o mais próximo que o gênero já chegou de fazer um filme arte. Logan é poético, é sobre as relações e os demônios pessoais de um herói que já viveu demais, além de pela primeira vez tocar num ponto onde todos chegamos: a velhice, suas limitações, o fim da vida. As atuações são intensas, as decisões são corajosas e somada a versão preto e branco, esse é um novo clássico. Logan não é só um ótimo filme de gênero, é um ótimo filme e ponto.



2 - Mulher-Maravilha Foram 75 anos de espera, mas a maior super-heroína de todas finalmente ganhou seu primeiro film…

Por que "Mulher-Maravilha" é um Filme Importante

Eu tenho sido um grande entusiasta do filme da Mulher-Maravilha nas minhas redes sociais, e tenho aproveitado toda oportunidade para divulgar algo que sai sobre ele no espacinho do meu pequeno blog. Tenho mesmo! Com isso outro dia me perguntaram: “Mas como você sabe que o filme vai ser bom?” e a resposta é bem simples, eu não sei! Na verdade, com a estreia se aproximando eu tenho ficado cada vez mais tenso pois é a minha heroína favorita chegando aos cinemas, eu quero muito que venha aí um filme excelente e eu não tenho ideia se ele será. Mas existe uma certeza que eu tenho e é nela que se baseia toda essa minha promoção do filme, a de que ele importantíssimo!  
Por isso resolvi fazer esse texto faltando cerca de 9 dias para a estreia, para explicar um pouco o que faz dele mais que só outro filme de super heróis dentre os vários que temos todo ano e porque é tão importante que ele se saia bem. Talvez você conheça muitos dos motivos a seguir, talvez conheça, mas não tenha os considerado…