Pular para o conteúdo principal

Review: Moana


Depois da instável década de 2000, toda vez que o estúdio principal de animação da Disney lança um novo longa eu fico nervoso; “Será se vão a qualidade cai agora?”. Até hoje não aconteceu e na verdade a qualidade subiu muito de “Bolt” a “Zootopia”, um caminho que continua no lindo “Moana”!
Ok, talvez “Moana” apresente a jornada do herói mais tradicional, com uma protagonista em busca do que está além do mundinho onde cresceu e com isso conquistar liberdade e identidade. Mas qual o problema em repetir a formula mais fundamental do cinema? Em especial de maneira tão graciosa. Não falta charme, carisma e cores na animação e o objetivo da moça é convincente para que se compre a aventura.
Os roteiristas foram inteligentes também em dar a Moana toda a responsabilidade, porém de não colocar a trajetória toda sobre os ombros da moça, adicionando o semi-Deus Maui. Com ele vem todo o humor e o sarcasmo que falta na protagonista para não deixar a trama arrastada ou longa demais. Importante ressaltar também como não a fizeram menos protagonista por causa dele, ele é um side-kick. Quem diria termos uma personagem feminina com um ajudante quando sempre é o contrário, não é?
E talvez seja esse o maior trunfo de “Moana”, o trabalho de representatividade que ele faz, em escala maior que animações anteriores. Moana não é uma moça branca do sul da Europa com um romance, inclusive ela é a primeira protagonista na Disney a ter sua historia envolta em um romance! Além disso, ela é uma pessoa dos trópicos, e isso é exaltado em sua pele, em seu cabelo, em sua cultura e em sua música. Alias, a trilha sonora é cheia de tambores, de linguagens e ainda assim com o carisma pop do tipo a se procurar depois para ouvir.
Além de Maui, o filme traz outros coadjuvantes que enriquecem muito a historia e curiosamente todos eles trazendo uma graça a mais ao tempo de filme. Sinal de que os responsáveis sabiam que estavam contando uma historia que poderia se tornar arrastada, logo, quebraram o clima com gentileza. Enquanto a avó vem ser a tradicional voz da sabedoria, o mar e o galinho são cheios de personalidade mesmo sem dizer uma palavra!
Com uma historia fechadinha e uma solução graciosa para o vilão, “Moana” consegue entregar um bom filme em critérios de cinema e um bom avanço em critérios sociais. Muito simples, mas muito bonito e bastante representativo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que o Live-action de Mulan Não Será um Remake da Animação

Assim como parte do publico pela internet a fora, eu vinha incomodado com o fato do live-action de Mulan estar tomando uma forma bem diferente da animação clássica de 1998 lançada pela Disney. Afinal, desde Cinderella (2015), o estúdio vem conquistando o publico adulto através da nostalgia, com versão “em carne e osso” das historias com as quais crescemos, acrescentando no máximo uma camada a mais nas modernizadas versões com atores reais em cena. Foi esse incomodo com a mudança de estratégia que me fez ir pesquisar sobre, o que acabou me fazendo entender os motivos por trás dessa decisão e inclusive me converter, pois comercialmente é sim o caminho correto a se seguir.
O que diferencia Mulan de projetos como Cinderella, Mogli e A Bela e a Fera é uma questão bem objetiva: a China. E não, a Disney não está tomando decisões por causa da cultura ou das tradições chinesas, longe disso, o que está sendo levado em conta aqui é o que pode fazer o filme ter um retorno financeiro melhor, e ne…

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Venom

Desde seu renascimento em 2000 com o primeiro X-men, as adaptações de quadrinhos seguiram um longo percurso. Hoje é possível dividir essa era moderna dos super heróis em duas fases: Entre 2000 e 2008, onde o cinema estava brincando com gênero da maneira que sabia ou conseguia, e o pós 2008, onde Cavaleiro das Trevas e o surgimento do Marvel Studios com Homem de Ferro redefiniram o conceito e a forma de trabalhar esse conteúdo. Mais recentemente, títulos como Logan, Pantera Negra, Deadpool e Mulher-Maravilha abriram novos e mais refinados horizontes cinematográficos para o gênero. Eis que agora vem Venom proporcionar retrocesso.
Sim, pois essa é uma perfeita adaptação de quadrinhos de 2004 ou 2006. Desde o roteiro recheado a clichês e diálogos absurdamente expositivos a um vilão da profundidade de um pirex que só aparece para reforçar artificialmente como é mal, o filme parece se esforçar em repetir erros que eu achei que o gênero já tinha aprendido a não cometer. Inclusive, o banal …