Pular para o conteúdo principal

Review: A Vigilante do Amanhã - Ghost In The Shell


Então que fui assistir ao filme mais polêmico de 2017 até o momento em que estou escrevendo esse texto. E com todas as headlines sobre boxoffice de protagonistas femininas, whitewashing e adaptação VS original, o que encontrei na sala de cinema foi um bom filme. Então, vamos discutir os assuntos que permeiam esse Ghost In The Shell.
Enquanto filme, essa versão tem muito a oferecer, especialmente em termos técnicos. A primeira coisa que mais impressiona é o mundo em que ele se passa, e a cidade velha, tão normal ao nosso tempo, porém revestida em hologramas coloridos faz um contraste não só com uma analogia de futuro, mas com o próprio titulo. A própria cidade é um fantasma revestido por uma capa comercial, manufaturada. O design de personagens também é impecável, prestando várias referências ao “cyberpunk” que o cinema já ofereceu antes, mas sem ultrapassar a linha do cafona. Gosto em especial do Batou de Johan Philip Asbæk e como ele evolui.
Já a critérios de adaptação, o filme se mantém bastante fiel ao original também. As mudanças que foram feitas serviram como uma maneira de adicionar gravidade a situação retradada, toda a questão a cerca da protagonista é bastante cruel aqui. Essa fidelidade inclui inclusive cenas chave, bastante épicas no anime, que são totalmente reproduzidas aqui.
A adaptação inclusive o que me traz a questão whitewashing. Claramente eu não sou a pessoa mais adequada para dizer se ele aconteceu ou não, portanto não vou confirma-lo, nem nega-lo, mas uma vez que essa acabou se tornando uma questão tão forte sobre o longa, vou dizer o que observei. Da forma como a questão vinha sendo apresentada online, eu cheguei a supor que a garota original e sua família tinham sido trocadas por atores americanos, porém Motoko Kusanagi e sua família se mantém japoneses tal como no original. Já a Major, o androide que recebe seu cérebro, este sim é caucasiano, tal como no original, isso inclusive servindo com o propósito de que aquela casca é um produto, algo artificial, o que não só a estética, mas também a mudança de nome enquanto robô representam. Me chamou a atenção também que o filme tem um elenco bastante diversificado, com uma gama considerável de personagens de etnias e nacionalidades diferentes, seguindo a linha de outros filmes como Rogue One ou Esquadrão Suicida.
Não é como se estivéssemos falando de um filme perfeito também. A volta dada do ponto inicial ao final é longa de uma maneira um pouco desnecessária e isso deixa o filme um pouco arrastado no segundo ato, erro comum em produções desse porte e que por alguma razão sempre acontece. E apesar de adorar Scarlet no papel, a forma de caminhar dada a Major ficou artificial de modo negativo, eu entendi a intenção, mas tirou o foco.
No fim eu acho que o maior inimigo do sucesso de Ghost in the Shell foi uma data de lançamento em meio a uma briga para a qual ele não tinha força de encarar (um lançamento antes de Março/No máximo em março talvez tivesse contribuído), sim pois eu ainda acho que dizer que o publico americano virou as costas para ele por whitewashing é ilusório. Americanos nunca tiveram cultura de anime, não gostam. Se algum público for base para este argumento que seja o oriental. Para o resto do mundo, acredito que seria uma experiência legal, mas infelizmente caiu em um momento onde entre outras opções, ele não foi escolha. Vale assistir de toda maneira.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Pantera Negra

Antes de começar nossa conversa, gostaria de ressaltar que aqui discutirei apenas o filme enquanto produção. Existe uma forte e IMPORTANTÍSSIMA discussão cultural e social que é parte indispensável do longa, porém eu não faço parte dessa demografia, posso fazer uma ideia, mas não conheço essa importância, essa vivencia, então posteriormente pretendo convidar algum representante da comunidade negra para escrever sobre essa parte aqui.
Por hora, vamos discutir o filme, e que filme! Apesar de grande fã do Marvel Studios e defensor do reconhecimento de sua liderança no gênero de super-heróis, já venho a algum tempo criticando a falta de seriedade e o quê formulatico de seu universo, constantemente contendo suas produções em tom e não os permitindo “engrossar” a conversa. Pois finalmente o estúdio se permite ultrapassar esse limite com Pantera Negra.
Esse é sem duvidas um filme de super-heróis, porém ele é mais que isso. Aqui se fala sobre tradição, cultura, crença e especialmente se que…

Review: Mãe!

Se tratando de um filme tão diferente quanto Mãe!, não é estranho que esse vá ser um review diferente. Neste review em especial eu vou falar o que achei do filme e o que entendi dele, por essa razão já darei um aviso: se você não assistiu ao filme ainda, pare por aqui e volte apenas quando tiver assistido. Digo isso porque o filme é pura metáfora e simbologia, deixando passível a diversas interpretações e a melhor maneira de descobrir a sua é ir ao cinema sem influências.
Ainda aqui? Ok, vamos lá. Eu estranhei muito quando, ao fim da sessão, ouvi alguém dizer algumas filas acima de mim: “- Não entendi nada”. Vivemos em uma sociedade de grande maioria religiosa ou de pelo menos criação religiosa e onde a Bíblia Sagrada é o livro mais vendido do mundo, sendo assim, como é possível que as pessoas tenham dificuldade em entender uma analogia a ela quando veem? Pois pra mim essa foi a interpretação primaria de Mãe!, uma grande releitura da Bíblia, desde Gênesis até o Apocalipse, em uma ve…