Pular para o conteúdo principal

Review: A Vigilante do Amanhã - Ghost In The Shell


Então que fui assistir ao filme mais polêmico de 2017 até o momento em que estou escrevendo esse texto. E com todas as headlines sobre boxoffice de protagonistas femininas, whitewashing e adaptação VS original, o que encontrei na sala de cinema foi um bom filme. Então, vamos discutir os assuntos que permeiam esse Ghost In The Shell.
Enquanto filme, essa versão tem muito a oferecer, especialmente em termos técnicos. A primeira coisa que mais impressiona é o mundo em que ele se passa, e a cidade velha, tão normal ao nosso tempo, porém revestida em hologramas coloridos faz um contraste não só com uma analogia de futuro, mas com o próprio titulo. A própria cidade é um fantasma revestido por uma capa comercial, manufaturada. O design de personagens também é impecável, prestando várias referências ao “cyberpunk” que o cinema já ofereceu antes, mas sem ultrapassar a linha do cafona. Gosto em especial do Batou de Johan Philip Asbæk e como ele evolui.
Já a critérios de adaptação, o filme se mantém bastante fiel ao original também. As mudanças que foram feitas serviram como uma maneira de adicionar gravidade a situação retradada, toda a questão a cerca da protagonista é bastante cruel aqui. Essa fidelidade inclui inclusive cenas chave, bastante épicas no anime, que são totalmente reproduzidas aqui.
A adaptação inclusive o que me traz a questão whitewashing. Claramente eu não sou a pessoa mais adequada para dizer se ele aconteceu ou não, portanto não vou confirma-lo, nem nega-lo, mas uma vez que essa acabou se tornando uma questão tão forte sobre o longa, vou dizer o que observei. Da forma como a questão vinha sendo apresentada online, eu cheguei a supor que a garota original e sua família tinham sido trocadas por atores americanos, porém Motoko Kusanagi e sua família se mantém japoneses tal como no original. Já a Major, o androide que recebe seu cérebro, este sim é caucasiano, tal como no original, isso inclusive servindo com o propósito de que aquela casca é um produto, algo artificial, o que não só a estética, mas também a mudança de nome enquanto robô representam. Me chamou a atenção também que o filme tem um elenco bastante diversificado, com uma gama considerável de personagens de etnias e nacionalidades diferentes, seguindo a linha de outros filmes como Rogue One ou Esquadrão Suicida.
Não é como se estivéssemos falando de um filme perfeito também. A volta dada do ponto inicial ao final é longa de uma maneira um pouco desnecessária e isso deixa o filme um pouco arrastado no segundo ato, erro comum em produções desse porte e que por alguma razão sempre acontece. E apesar de adorar Scarlet no papel, a forma de caminhar dada a Major ficou artificial de modo negativo, eu entendi a intenção, mas tirou o foco.
No fim eu acho que o maior inimigo do sucesso de Ghost in the Shell foi uma data de lançamento em meio a uma briga para a qual ele não tinha força de encarar (um lançamento antes de Março/No máximo em março talvez tivesse contribuído), sim pois eu ainda acho que dizer que o publico americano virou as costas para ele por whitewashing é ilusório. Americanos nunca tiveram cultura de anime, não gostam. Se algum público for base para este argumento que seja o oriental. Para o resto do mundo, acredito que seria uma experiência legal, mas infelizmente caiu em um momento onde entre outras opções, ele não foi escolha. Vale assistir de toda maneira.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que o Live-action de Mulan Não Será um Remake da Animação

Assim como parte do publico pela internet a fora, eu vinha incomodado com o fato do live-action de Mulan estar tomando uma forma bem diferente da animação clássica de 1998 lançada pela Disney. Afinal, desde Cinderella (2015), o estúdio vem conquistando o publico adulto através da nostalgia, com versão “em carne e osso” das historias com as quais crescemos, acrescentando no máximo uma camada a mais nas modernizadas versões com atores reais em cena. Foi esse incomodo com a mudança de estratégia que me fez ir pesquisar sobre, o que acabou me fazendo entender os motivos por trás dessa decisão e inclusive me converter, pois comercialmente é sim o caminho correto a se seguir.
O que diferencia Mulan de projetos como Cinderella, Mogli e A Bela e a Fera é uma questão bem objetiva: a China. E não, a Disney não está tomando decisões por causa da cultura ou das tradições chinesas, longe disso, o que está sendo levado em conta aqui é o que pode fazer o filme ter um retorno financeiro melhor, e ne…

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Venom

Desde seu renascimento em 2000 com o primeiro X-men, as adaptações de quadrinhos seguiram um longo percurso. Hoje é possível dividir essa era moderna dos super heróis em duas fases: Entre 2000 e 2008, onde o cinema estava brincando com gênero da maneira que sabia ou conseguia, e o pós 2008, onde Cavaleiro das Trevas e o surgimento do Marvel Studios com Homem de Ferro redefiniram o conceito e a forma de trabalhar esse conteúdo. Mais recentemente, títulos como Logan, Pantera Negra, Deadpool e Mulher-Maravilha abriram novos e mais refinados horizontes cinematográficos para o gênero. Eis que agora vem Venom proporcionar retrocesso.
Sim, pois essa é uma perfeita adaptação de quadrinhos de 2004 ou 2006. Desde o roteiro recheado a clichês e diálogos absurdamente expositivos a um vilão da profundidade de um pirex que só aparece para reforçar artificialmente como é mal, o filme parece se esforçar em repetir erros que eu achei que o gênero já tinha aprendido a não cometer. Inclusive, o banal …