Pular para o conteúdo principal

Review: Mulher-Maravilha



Setenta e cinco anos, uma única série de TV, cinco versões do Batman, três do Superman e um debut fora do título como participação extra. Foi o necessário para que a Mulher-Maravilha, integrante da chamada “divina trindade” da Dc Comics, tivesse sua vez com um filme solo nos cinemas. Os motivos apresentados foram diversos, em especial sobre filmes de super-heroínas não emplacarem, mas finalmente o filme aconteceu e veio provar que quando o filme é bom, o gênero do herói em tela é indiferente.

O primeiro grande mérito do filme é do roteirista Allan Heinberg, pois a trama é bem amarrada e se justifica ao longo de toda jornada da personagem. Então, quando vemos sua revolta perante a hierarquia e posicionamento dos comandantes da Guerra, isso nos faz sentido, pois já vimos seu povo em combate (usando apenas um dos muitos exemplos ao longo das mais de 2 horas de filme). Fiquei muito impressionado também o quão funcional são as piadas do filme, pois não existe uma única que esteja fora de tom, contexto ou que não cole.

Isso se deve também as excelentes performances do filme, que tem uma escalação impecável, cada um encaixado na persona que interpreta com a exatidão do figurino que veste. Os maior destaque fica para Gal Gadot e toda a ingenuidade curiosa de sua Diana, que desconhecendo este mundo que veio desbravar faz questionamentos pertinentes sobre aquela sociedade com a inocência de quem não conhece a diferenciação social, desconhece preconceitos e hierarquias injustas. Seu papel só fica mais forte e complexo com a parceria e a química que ela tem com o Steve Trevor de Chris Pine, na melhor atuação que já o vi fazer, sendo interessante o suficiente para não ser ofuscado pela protagonista, mas sem jamais passar a sua frente.

Interessante observar também que o filme não tem um personagem desnecessário ou que passe batido. A mãe e a tia na protagonista são essenciais para a construção inicial de seu caráter desafiador, curioso e ingênuo; Etta Candy traz um necessário alívio cômico ao cenário da guerra; os parceiros de Trevor garantem diversidade de todos os níveis e aventura ao que seria uma jornada pesada, tal como os vilões, agregando um “que” de Indiana Jones ao filme.

Mas para mim o mérito maior vai para a diretora, Patty Jerkins. Provando que uma mulher consegue fazer muito mais com um grande orçamento que os homens que muitas das vezes o recebe sem ao menos um currículo justificável, ela consegue fazer a mágica de construir um filme leve, aventureiro e muito positivo no mais obscuro dos períodos. Seu longa é um festival de bom gosto, sabe encontrar e criar beleza em todos os cenários e tem uma das melhores sequências de ação já fornecidas pelo gênero.


Demorou, mas Mulher-Maravilha aconteceu e aconteceu no momento ideal! Para o DCEU, para a personagem, até para Gal Gadot que disse estar prestes a desistir de atuar quando conseguiu o papel. Que bom que ela não desistiu, que os envolvidos não desistiram da personagem e conseguiram a trazer a vida com tanta graça, com tanto amor e com tanta justiça. Todos os fatores que fazem dela a maior heroína da história estão ali e é isso que o tornou tão superior a outras produções de super heróis no geral. Não só vale o ingresso, vale a mudança que ele causa e vale sem dúvidas o posto de um dos melhores do gênero qual ele vem sendo colocado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que o Live-action de Mulan Não Será um Remake da Animação

Assim como parte do publico pela internet a fora, eu vinha incomodado com o fato do live-action de Mulan estar tomando uma forma bem diferente da animação clássica de 1998 lançada pela Disney. Afinal, desde Cinderella (2015), o estúdio vem conquistando o publico adulto através da nostalgia, com versão “em carne e osso” das historias com as quais crescemos, acrescentando no máximo uma camada a mais nas modernizadas versões com atores reais em cena. Foi esse incomodo com a mudança de estratégia que me fez ir pesquisar sobre, o que acabou me fazendo entender os motivos por trás dessa decisão e inclusive me converter, pois comercialmente é sim o caminho correto a se seguir.
O que diferencia Mulan de projetos como Cinderella, Mogli e A Bela e a Fera é uma questão bem objetiva: a China. E não, a Disney não está tomando decisões por causa da cultura ou das tradições chinesas, longe disso, o que está sendo levado em conta aqui é o que pode fazer o filme ter um retorno financeiro melhor, e ne…

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Venom

Desde seu renascimento em 2000 com o primeiro X-men, as adaptações de quadrinhos seguiram um longo percurso. Hoje é possível dividir essa era moderna dos super heróis em duas fases: Entre 2000 e 2008, onde o cinema estava brincando com gênero da maneira que sabia ou conseguia, e o pós 2008, onde Cavaleiro das Trevas e o surgimento do Marvel Studios com Homem de Ferro redefiniram o conceito e a forma de trabalhar esse conteúdo. Mais recentemente, títulos como Logan, Pantera Negra, Deadpool e Mulher-Maravilha abriram novos e mais refinados horizontes cinematográficos para o gênero. Eis que agora vem Venom proporcionar retrocesso.
Sim, pois essa é uma perfeita adaptação de quadrinhos de 2004 ou 2006. Desde o roteiro recheado a clichês e diálogos absurdamente expositivos a um vilão da profundidade de um pirex que só aparece para reforçar artificialmente como é mal, o filme parece se esforçar em repetir erros que eu achei que o gênero já tinha aprendido a não cometer. Inclusive, o banal …