Pular para o conteúdo principal

Review: Piratas do Caribe - A Vingança de Salazar


Duas informações importantes antes de começar este review. A primeira é que amo a trilogia original de Piratas do Caribe, em especial o segundo, mesmo ele já tendo escorregado na visão da critica. A segunda é que detesto o quarto filme da série, assim de ter ranço, até porque um filme onde nem Penélope Cruz salva é uma produção indefensável.  Dito isso, fui assistir ao novo filme com os dois pés atrás até porque a situação da franquia junto a critica apenas piorou, e tive uma surpresa: não é um filme ruim.

Ok, ser melhor que o filme anterior não era nenhum grande desafio, porém esse novo "Piratas" não comete o maior crime cometido pelo anterior, que foi tentar se afastar da trilogia. Aqui ele funciona como uma continuação (mesmo que obvia) aos três filmes originais e eu arrisco dizer que se este fosse o quarto filme da franquia, por mais que tivesse ocorrido uma queda de qualidade, a franquia no geral não teria se manchado como se manchou.

Não que o filme não tenha seus problemas, tem e são vários, a começar pelo Jack Sparrow de Johnny Depp. Uma vez um espertão caricato que apesar da aparência sempre conseguia o que queria com inteligência impar, agora ele é cada vez mais representado como bêbado abobado tendo sorte pelo acaso, o que enfraquece muito o personagem. Fica muito forte a sensação também de que o filme é mais longo do que devia, dando um numero desnecessário de voltas para chegar ao seu objetivo, a sensação de voltas no que poderia ser uma linha reta nunca é positiva e te faz olhar para o relógio.

Porém o resgate a formula original onde dois protagonistas precisam alcançar algo e Jack é um meio até esse objetivo se mostra o melhor dos caminhos, com o jovem casal sendo um “Will e Elizabeth” até competente. Porém perante a possibilidade deixada aqui, espero mesmo que o trio original volte a protagonizar na próxima aventura (não se enganem, os papeis de Orlando e principalmente Keira aqui são minúsculos, no máximo ele tem função na historia).


É desnecessário entrar em detalhes de estética, visuais e efeitos pois Piratas do Caribe não é uma franquia de orçamentos de absurdos $250 milhões atoa, ele não faz mais que a obrigação em ser visualmente impressionante. A vantagem aqui é conseguir fazer uma historia nova com laços na trilogia, amarrando os personagens e dando importância a eles. Um vilão muitíssimo competente e bem interpretado também não prejudicou em nada. Não estava empolgado para um quinto filme, porém agora vejo com bons olhos um sexto, então vale assistir! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que o Live-action de Mulan Não Será um Remake da Animação

Assim como parte do publico pela internet a fora, eu vinha incomodado com o fato do live-action de Mulan estar tomando uma forma bem diferente da animação clássica de 1998 lançada pela Disney. Afinal, desde Cinderella (2015), o estúdio vem conquistando o publico adulto através da nostalgia, com versão “em carne e osso” das historias com as quais crescemos, acrescentando no máximo uma camada a mais nas modernizadas versões com atores reais em cena. Foi esse incomodo com a mudança de estratégia que me fez ir pesquisar sobre, o que acabou me fazendo entender os motivos por trás dessa decisão e inclusive me converter, pois comercialmente é sim o caminho correto a se seguir.
O que diferencia Mulan de projetos como Cinderella, Mogli e A Bela e a Fera é uma questão bem objetiva: a China. E não, a Disney não está tomando decisões por causa da cultura ou das tradições chinesas, longe disso, o que está sendo levado em conta aqui é o que pode fazer o filme ter um retorno financeiro melhor, e ne…

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Pantera Negra

Antes de começar nossa conversa, gostaria de ressaltar que aqui discutirei apenas o filme enquanto produção. Existe uma forte e IMPORTANTÍSSIMA discussão cultural e social que é parte indispensável do longa, porém eu não faço parte dessa demografia, posso fazer uma ideia, mas não conheço essa importância, essa vivencia, então posteriormente pretendo convidar algum representante da comunidade negra para escrever sobre essa parte aqui.
Por hora, vamos discutir o filme, e que filme! Apesar de grande fã do Marvel Studios e defensor do reconhecimento de sua liderança no gênero de super-heróis, já venho a algum tempo criticando a falta de seriedade e o quê formulatico de seu universo, constantemente contendo suas produções em tom e não os permitindo “engrossar” a conversa. Pois finalmente o estúdio se permite ultrapassar esse limite com Pantera Negra.
Esse é sem duvidas um filme de super-heróis, porém ele é mais que isso. Aqui se fala sobre tradição, cultura, crença e especialmente se que…