Pular para o conteúdo principal

Review: Dunkirk


Eu tenho em Christopher Nolan o que considero ser o melhor diretor moderno de Hollywood. Filme após filme ele vem se consolidando para mim como um diretor (e roteirista) elegante, intrigante e ainda assim, hollywoodiano. Pois Dunkirk só fez o manter no mesmo patamar para mais!

Ele sempre foi um diretor de assinatura, logo tem sua própria formula, e eu não vejo nada de errado em ter uma, contanto que consiga aplica-la de forma inovadora e a fazer continuar interessante. É o que ele faz. Ele tem explorado novos territórios, aplicado sua linguagem em contextos diferentes e apresentado o que seria a versão dele daquele tipo de historia. Aqui vemos duas, com um filme de guerra e um “baseado em fatos reais” pela perspectiva Nolan e que como em experimentações anteriores, é complexo, bonito e de deixar nervos à flor da pele.

Porém a primeira coisa que quero destacar não é trabalho direto de Nolan, mas sim do também genial Hans Zimmer. A música do filme é muito poderosa, tranquilamente o melhor trabalho dele dentre todos que já ouvi, fazendo uma mistura aterrorizadora e linda da musica com som de relógio e sirene de bombardeio que faz do filme ainda mais épico. Áudio alias é uma das maiores qualidades do filme, assisti em uma sala IMAX e eu recomendo muito, pois cada tiro, cada explosão, cada rasante de avião, é tudo muito forte, cruelmente alto.

Fotografia e direção são redundantes se tratando de quem se trata, mas a montagem do filme com a linha do tempo de cada núcleo separada por semana/dia/hora funciona perfeitamente, em especial para uma historia regida por tempo, que é contra o que todas as pessoas envolvidas estão correndo. A forma como esses diferentes relógios se encontram inevitavelmente é talvez a coisa mais genial que Nolan já realizou no cinema.

Interessante também a habilidade dele de transformar uma historia de derrota em uma sobre vitoria, o que poderia ter sido clichê, se ele não tivesse sustentado a humanidade, o extinto de sobrevivência daquelas pessoas. Não houve endeusamentos,  não se poupou crueldade compreensiva. É um filme que fala do desespero pela sobrevivência e todas as emoções que isso traz.

As atuações encontradas no longa são também de uma qualidade incrível, trazendo a necessária carga emocional para um cenário de guerra, em especial uma guerra perdida. O diretor também é conhecido pelo casting exemplar que sempre rendeu excelentes performances em seus filmes (você não, Marion Cotillard), e até a comentada escalação do ex-integrante de boyband (Harry Styles) se mostra acertada. Ele nunca escalaria ninguém por hype, o garoto é bom!


Épico do inicio ao fim, Dunkirk é a experiência cinematográfica carregada que se espera de alguém do calibre de Christopher Nolan. A capacidade dele como diretor pode ser vista até mesmo no curioso orçamento de $100 milhões que na tela parecem ter sido duplicados, com um resultado que não soa nada barato. Vale muito o ingresso e de preferência, na melhor sala disponível! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que o Live-action de Mulan Não Será um Remake da Animação

Assim como parte do publico pela internet a fora, eu vinha incomodado com o fato do live-action de Mulan estar tomando uma forma bem diferente da animação clássica de 1998 lançada pela Disney. Afinal, desde Cinderella (2015), o estúdio vem conquistando o publico adulto através da nostalgia, com versão “em carne e osso” das historias com as quais crescemos, acrescentando no máximo uma camada a mais nas modernizadas versões com atores reais em cena. Foi esse incomodo com a mudança de estratégia que me fez ir pesquisar sobre, o que acabou me fazendo entender os motivos por trás dessa decisão e inclusive me converter, pois comercialmente é sim o caminho correto a se seguir.
O que diferencia Mulan de projetos como Cinderella, Mogli e A Bela e a Fera é uma questão bem objetiva: a China. E não, a Disney não está tomando decisões por causa da cultura ou das tradições chinesas, longe disso, o que está sendo levado em conta aqui é o que pode fazer o filme ter um retorno financeiro melhor, e ne…

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Venom

Desde seu renascimento em 2000 com o primeiro X-men, as adaptações de quadrinhos seguiram um longo percurso. Hoje é possível dividir essa era moderna dos super heróis em duas fases: Entre 2000 e 2008, onde o cinema estava brincando com gênero da maneira que sabia ou conseguia, e o pós 2008, onde Cavaleiro das Trevas e o surgimento do Marvel Studios com Homem de Ferro redefiniram o conceito e a forma de trabalhar esse conteúdo. Mais recentemente, títulos como Logan, Pantera Negra, Deadpool e Mulher-Maravilha abriram novos e mais refinados horizontes cinematográficos para o gênero. Eis que agora vem Venom proporcionar retrocesso.
Sim, pois essa é uma perfeita adaptação de quadrinhos de 2004 ou 2006. Desde o roteiro recheado a clichês e diálogos absurdamente expositivos a um vilão da profundidade de um pirex que só aparece para reforçar artificialmente como é mal, o filme parece se esforçar em repetir erros que eu achei que o gênero já tinha aprendido a não cometer. Inclusive, o banal …