Pular para o conteúdo principal

Review: Homem-Aranha: De Volta ao Lar



Lá fui eu, fã da série animada dos anos 1990 e dos filmes de Sam Raimi do inicio dos anos 2000, assistir ao novo Homem-Aranha. Apesar da citação anterior, fui de peito aberto, disposto a conhecer uma nova abordagem do personagem uma vez que, como grande defensor de adaptações, estou também sempre disposto a novas interpretações. E fiquei feliz em encontrar um Aranha bastante moderno, mas também bastante competente em sua proposta.

A grande verdade é que essa nova versão cumpre a ideia que a versão “Espetacular” com Andrew Garfield prometeu e não entregou, com o herói em escala menor, orçamento menor e mais voltado ao arco de Peter que de seu alter ego em si. Por essa razão eu também saí do cinema com aquela leve sensação de que este não é um Aranha para mim ou para a minha geração, pelo menos não em primeiro plano. Afinal, estamos acompanhando o crescimento de um adolescente atual completo, enquanto nossa versão do herói era um jovem adulto noventista. Porém entendo a necessidade dessa abordagem, personagem e titulo precisam ser renovados nessa segunda tentativa de reboot e uma vez que o filme assume essa proposta, a abraça e a executa com qualidade, não me sinto também em posição de reclamar.

Essa “menor escala” que mencionei funciona muito bem para trabalhar o clássico conceito de “amigão da vizinhança” que o personagem sempre carregou. Isso fica claro com o filme se passando mais nos subúrbios de Nova York que nenhum anterior, rendendo até mesmo uma piada sobre sua movimentação em ambientes sem grandes prédios que eu sempre imaginei. O humor é inclusive uma das maiores qualidades do filme, estabelecendo um clima muitíssimo leve e sem nenhuma piada que não funcione, o que combina muito com a idade do universo que está construindo. O que me leva a outra grande qualidade do filme, conseguir trabalhar um universo adolescente que não fica irritante para um publico adulto, uma vez que não me identifico com ele, porém consigo me relacionar e conviver com ele.

Se tratando de um filme mais centrado para personagens que para o lado épico de ser um herói, a performance de Tom Holland foi primordial para o bom resultado dele, e o rapaz entrega muito. Eu sempre tive e continuo tendo a versão de Maguire como “minha versão”, porém Holland pega sim o personagem para si. E se tratando de uma idade tão diferente, isso acaba não afetando minha relação com a primeira interpretação, o que representa mais um acerto na escolha de fase da vida dele neste reboot. Já o Homem de Ferro de Robert Downey Jr vem substituindo o arco “poderes VS responsabilidades” do Tio Ben, uma decisão acertada, e seu suposto excesso de presença sendo claramente uma má decisão do marketing. Sua presença é pontual, interessante e eu inclusive gosto mais dele aqui que na Guerra Civil.

O elenco de apoio é bastante bem empregado também. Os amigos de escola servem funções claras para a construção do personagem, Tia May abraça o diferencial de sua versão e combina com o Peter nessa idade, além de Michael Keaton entregando o segundo vilão realmente bom do MCU desde Loki.


É claro que o filme tem seus problemas, como a artificialidade do personagem quando em ação, no filme original não parecia tão artificial, a dependência um pouco exagera do universo MCU e uma pequena, mas importante decisão relacionada a uma personagem a fim de modificar que para mim, foi desnecessária. O filme também não tem nenhuma sequência memorável, ou épica, algo justificável apenas por sua dimensão como um todo.  Porém nada disso afeta o longa como um todo e o resultado final é leve, moderno, com um ar necessariamente “fresh” a uma franquia que sofreu um desgaste. Pode não ser o meu filme favorito do herói, que continua sendo “Homem-Aranha 2” (2004), mas stou ansioso para acompanhar o crescimento deste novo Peter Parker. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Pantera Negra

Antes de começar nossa conversa, gostaria de ressaltar que aqui discutirei apenas o filme enquanto produção. Existe uma forte e IMPORTANTÍSSIMA discussão cultural e social que é parte indispensável do longa, porém eu não faço parte dessa demografia, posso fazer uma ideia, mas não conheço essa importância, essa vivencia, então posteriormente pretendo convidar algum representante da comunidade negra para escrever sobre essa parte aqui.
Por hora, vamos discutir o filme, e que filme! Apesar de grande fã do Marvel Studios e defensor do reconhecimento de sua liderança no gênero de super-heróis, já venho a algum tempo criticando a falta de seriedade e o quê formulatico de seu universo, constantemente contendo suas produções em tom e não os permitindo “engrossar” a conversa. Pois finalmente o estúdio se permite ultrapassar esse limite com Pantera Negra.
Esse é sem duvidas um filme de super-heróis, porém ele é mais que isso. Aqui se fala sobre tradição, cultura, crença e especialmente se que…

Review: Mãe!

Se tratando de um filme tão diferente quanto Mãe!, não é estranho que esse vá ser um review diferente. Neste review em especial eu vou falar o que achei do filme e o que entendi dele, por essa razão já darei um aviso: se você não assistiu ao filme ainda, pare por aqui e volte apenas quando tiver assistido. Digo isso porque o filme é pura metáfora e simbologia, deixando passível a diversas interpretações e a melhor maneira de descobrir a sua é ir ao cinema sem influências.
Ainda aqui? Ok, vamos lá. Eu estranhei muito quando, ao fim da sessão, ouvi alguém dizer algumas filas acima de mim: “- Não entendi nada”. Vivemos em uma sociedade de grande maioria religiosa ou de pelo menos criação religiosa e onde a Bíblia Sagrada é o livro mais vendido do mundo, sendo assim, como é possível que as pessoas tenham dificuldade em entender uma analogia a ela quando veem? Pois pra mim essa foi a interpretação primaria de Mãe!, uma grande releitura da Bíblia, desde Gênesis até o Apocalipse, em uma ve…