Pular para o conteúdo principal

Review: Em Ritmo de Fuga



O talentoso Edgar Wright é sem dúvidas um dos nomes que mais chamaram a atenção nos últimos anos, seja enquanto diretor ou roteirista, por ser uma figura de pensamento rápido. Sua comédia e sua ação são sempre como uma corrida, que a partir do momento em que dá a largada não para mais até concluir seu trajeto, realizando a mágica da velocidade com a coesão. É tudo muito rápido, mas muito claro. Isso fica ainda mais evidente em seu novo filme, Baby Driver (me recuso ao titulo nacional), que é claro, é um filme sobre velocidade.

Esse diferencial do diretor é visto desde o momento em que os logos dos estúdios dão lugar ao filme, que não para, tem quadros curtíssimos e uma câmera sempre em movimento. Acredito que justamente pela constante, é também um filme muito iluminado, com a maioria das cenas durante o dia, mas mesmo nas cenas durante a noite. Ele faz questão que você não perca nada e é isso que faz essa velocidade funcionar, ser um filme que acontece de estalo em estalo não faz dele menos explicativo ou sensato. Você entende a historia.

A historia inclusive não é nada que invente a roda. Filme de assalto, protagonista que pegou o caminho errado em seu ultimo trabalho, busca pela liberdade, nós já vimos isso no cinema algumas dezenas de vezes. A diferença está na execução, na edição, na trilha sonora que rege o ritmo do filme, no estilo e na atuação propositalmente e assumidamente exagerados. Dessa forma, faz todo sentido quando uma personagem solta o pra mim já icônico: “This shit is bananas, doc”.

Porém está na historia também o calcanhar de Aquiles do filme. Depois de passar todo o longa sendo desafiador, ultrajante, num filme Rated R escandaloso, concluir a historia de uma forma tão “água com açúcar” como foi, me pareceu uma perda de força. Pode ser entendido como a redução de velocidade antes da chegada se continuar a analogia que fiz de inicio? Sim, porém eu ainda acho que foi um final pouco corajoso se comparado a tudo que o antecede. Refletindo inclusive, era uma simples questão de ter encerrado um pouco antes, se ele tivesse acabado na ponte (você saberá quando assistir) eu teria achado mais satisfatório.


Nada disso diminui a força de Edgar Wright ou do filme, que está tranquilamente posicionado para mim junto aos “novos clássicos” da ação como Mad Max: Fury Road e Kingsman. Ótimo enredo, ótimo ritmo, ótimas performances (Kevin Spacey, we salute you) e seu próprio jeito de acontecer e se contar, Baby Driver é ultrajante e delicioso de assistir. Daqueles que não só vale o ingresso, mas que você já sai pensando em quando fará o replay. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que o Live-action de Mulan Não Será um Remake da Animação

Assim como parte do publico pela internet a fora, eu vinha incomodado com o fato do live-action de Mulan estar tomando uma forma bem diferente da animação clássica de 1998 lançada pela Disney. Afinal, desde Cinderella (2015), o estúdio vem conquistando o publico adulto através da nostalgia, com versão “em carne e osso” das historias com as quais crescemos, acrescentando no máximo uma camada a mais nas modernizadas versões com atores reais em cena. Foi esse incomodo com a mudança de estratégia que me fez ir pesquisar sobre, o que acabou me fazendo entender os motivos por trás dessa decisão e inclusive me converter, pois comercialmente é sim o caminho correto a se seguir.
O que diferencia Mulan de projetos como Cinderella, Mogli e A Bela e a Fera é uma questão bem objetiva: a China. E não, a Disney não está tomando decisões por causa da cultura ou das tradições chinesas, longe disso, o que está sendo levado em conta aqui é o que pode fazer o filme ter um retorno financeiro melhor, e ne…

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Pantera Negra

Antes de começar nossa conversa, gostaria de ressaltar que aqui discutirei apenas o filme enquanto produção. Existe uma forte e IMPORTANTÍSSIMA discussão cultural e social que é parte indispensável do longa, porém eu não faço parte dessa demografia, posso fazer uma ideia, mas não conheço essa importância, essa vivencia, então posteriormente pretendo convidar algum representante da comunidade negra para escrever sobre essa parte aqui.
Por hora, vamos discutir o filme, e que filme! Apesar de grande fã do Marvel Studios e defensor do reconhecimento de sua liderança no gênero de super-heróis, já venho a algum tempo criticando a falta de seriedade e o quê formulatico de seu universo, constantemente contendo suas produções em tom e não os permitindo “engrossar” a conversa. Pois finalmente o estúdio se permite ultrapassar esse limite com Pantera Negra.
Esse é sem duvidas um filme de super-heróis, porém ele é mais que isso. Aqui se fala sobre tradição, cultura, crença e especialmente se que…