Pular para o conteúdo principal

Review: Em Ritmo de Fuga



O talentoso Edgar Wright é sem dúvidas um dos nomes que mais chamaram a atenção nos últimos anos, seja enquanto diretor ou roteirista, por ser uma figura de pensamento rápido. Sua comédia e sua ação são sempre como uma corrida, que a partir do momento em que dá a largada não para mais até concluir seu trajeto, realizando a mágica da velocidade com a coesão. É tudo muito rápido, mas muito claro. Isso fica ainda mais evidente em seu novo filme, Baby Driver (me recuso ao titulo nacional), que é claro, é um filme sobre velocidade.

Esse diferencial do diretor é visto desde o momento em que os logos dos estúdios dão lugar ao filme, que não para, tem quadros curtíssimos e uma câmera sempre em movimento. Acredito que justamente pela constante, é também um filme muito iluminado, com a maioria das cenas durante o dia, mas mesmo nas cenas durante a noite. Ele faz questão que você não perca nada e é isso que faz essa velocidade funcionar, ser um filme que acontece de estalo em estalo não faz dele menos explicativo ou sensato. Você entende a historia.

A historia inclusive não é nada que invente a roda. Filme de assalto, protagonista que pegou o caminho errado em seu ultimo trabalho, busca pela liberdade, nós já vimos isso no cinema algumas dezenas de vezes. A diferença está na execução, na edição, na trilha sonora que rege o ritmo do filme, no estilo e na atuação propositalmente e assumidamente exagerados. Dessa forma, faz todo sentido quando uma personagem solta o pra mim já icônico: “This shit is bananas, doc”.

Porém está na historia também o calcanhar de Aquiles do filme. Depois de passar todo o longa sendo desafiador, ultrajante, num filme Rated R escandaloso, concluir a historia de uma forma tão “água com açúcar” como foi, me pareceu uma perda de força. Pode ser entendido como a redução de velocidade antes da chegada se continuar a analogia que fiz de inicio? Sim, porém eu ainda acho que foi um final pouco corajoso se comparado a tudo que o antecede. Refletindo inclusive, era uma simples questão de ter encerrado um pouco antes, se ele tivesse acabado na ponte (você saberá quando assistir) eu teria achado mais satisfatório.


Nada disso diminui a força de Edgar Wright ou do filme, que está tranquilamente posicionado para mim junto aos “novos clássicos” da ação como Mad Max: Fury Road e Kingsman. Ótimo enredo, ótimo ritmo, ótimas performances (Kevin Spacey, we salute you) e seu próprio jeito de acontecer e se contar, Baby Driver é ultrajante e delicioso de assistir. Daqueles que não só vale o ingresso, mas que você já sai pensando em quando fará o replay. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fox Agora é Disney: Isso Não é Uma Boa Notícia

Eu tenho sido veemente contra toda a situação da compra da maior parte do conglomerado Fox pela Disney desde que o acordo foi anunciado. Enquanto a comunidade nerd comemorava a possível volta dos X-men e do Quarteto Fantástico as mãos da Marvel, finalmente ingressando ao bem sucedido Marvel Studios, eu venho tentando debater que essa compra é muito maior que isso. A cada nova informação eu fiz postagens questionando o impacto negativo que a mudança teria no cinema como um todo e, agora que chegamos a uma realidade onde essa compra aconteceu, resolvi fazer esse texto argumentando do porque essa compra é uma péssima noticia.
A primeira coisa que precisa ser entendida é que Disney dessa vez não está adquirindo Marvel Studios, ou Lucas Films, ou Pixar, que lançavam de um a dois filmes ao ano. O 20th Century Fox era um dos seis maiores estúdios de cinema de Hollywood e um dos mais antigos inclusive, com uma agenda que chegava a DOZE filmes por ano, a par com Warner, Paramount, Universal …

Review: Coringa

Apesar de ter ganhado o renomado Festival de Cinema de Veneza, Coringa detém neste momento uma média de 69% por parte da crítica no Rotten Tomatoes. Algumas semanas antes de seu lançamento, uma polêmica surgiu baseada no receio do filme ser “irresponsável”, incentivar a violência ou o movimento Incel. A conclusão que cheguei após assistir ao filme é que a parcela da sociedade com essas reações não estava com medo do filme, ela estava ultrajada. Nada incomoda mais que o espelho. E é isso que Coringa coloca a nossa frente,um espelho do que uma sociedade decadente é capaz de fazer com seus cidadãos mais frágeis, uma sociedade que podemos reconhecer como quem vê o próprio reflexo.
Estamos acostumados a ir ao cinema para acompanhar a jornada do herói, clássica, que mostra os caminhos, os encontros e as oportunidades que elevam um ser humano ao status quo admirável, ao seu melhor. O que Todd Phillips fez aqui foi pela primeira (ou ao menos rara) vez apresentar a perfeita jornada do vilão,…

Ranking: Os Filmes de Super-Heróis de 2018

O gênero mais lucrativo de Hollywood teve um 2018 movimentado. Seis filmes foram lançados por diferentes estúdios, um numero que por pouco não foi maior antes da Fox adiar dois títulos para o ano que vem. Os resultados foram de bilheterias altas, reações mistas e universos cinematográficos se expandindo ainda mais. Dito isso, segue meu ranking dos lançamentos baseados em quadrinhos desse ano, do melhor ao pior:
1 – Pantera Negra Antes de mais nada, eu concordo com os argumento de que, retirando o impacto social, Pantera Negra é um filme de super heróis bem tradicional e com uma jornada do herói bem típica (além de um terceiro ato carregado a CGI). Porém o tamanho da representatividade que ele trouxe ao business de Hollywood, os paradigmas que quebrou e o evento cultural que estabeleceu são indiscutíveis, e se isso tudo eleva o material, mérito dele. Some isso a atuações incríveis, visuais dos mais criativos e um novo e interessantíssimo cenário a ser explorado no já gigantesco univers…