Pular para o conteúdo principal

Review: Planeta dos Macacos - A Guerra



Se perguntassem em 2010 quais franquias renderiam as melhores trilogias dessa década, eu duvido que alguém viesse a apostar em Planeta dos Macacos sequer no top 10. A primeira tentativa de reboot com Tim Burton na virada do século foi catastrófica e parecia ser uma saga que não cabia nos dias atuais. Bobagem! Filme após filme o reboot atual não só modernizou a franquia através da nova forma de atuação com a captura de movimentos, mas impressionou com um enredo forte, coeso e que chega a uma conclusão de altíssimo nível!

Acho que o maior feito dessa nova saga é o quão crível a jornada consegue ser. O caminho traçado por Caesar desde sua criação até o fim da Guerra pelo planeta contra os humanos parece muito maior do que três filmes e ainda assim é completa e fica devendo em nada para outras grandes sagas. Vimos sua espécie nascer, crescer e se desenvolver de forma e sob argumentos que justificam que esse tenha se tornado um planeta de macacos.

Depois de Origem e Confronto, o titulo de Guerra é perfeito para esse terceiro capitulo. Ele entrega todo o conceito de um filme do gênero, desde as mudanças de lado geradas pelas divergências internas das linhas de pensamento, as certezas de razão de lados opostos, a perda da sanidade em busca de sobrevivência ou vingança. Todos os pontos necessários para empregar realismo, empatia e humanidade a ambos os lados da tal Guerra são trabalhos em uma historia claramente mais preocupada com desenvolvimento de seus personagens que com qualquer outra coisa.

Se a mudança de direção do primeiro para o segundo filme se mostrou acertada pelo excelente trabalho de Matt Reeves em O Confronto, aqui isso só se reafirma. A direção dele passeia com leveza entre o épico e o elegante, entregando um filme muito bonito e com sequências e frames que estão entre os melhores que eu já vi. Toda a sequência nas cavernas sob a cachoeira, por exemplo, está sem duvidas entre os melhores trabalhos de direção que me lembro de ter visto recentemente. E tente não se empolgar para o próximo trabalho dele, O Batman, ao ver a cena do Colonel pendurado no alto da cachoeira.

A atuação do filme se mantém de altíssimo nível, e o mercado precisa aceitar essa nova forma de atuação e premiar Andy Serkins urgentemente. Parece uma evolução de 50 anos desde o que ele conseguiu fazer no primeiro filme, de 100 desde o que fez em O Senhor dos Anéis. Além dele, o Bad Ape de Steve Zahn é de um charme absurdo e vem como o necessário alivio cômico em um filme tão grave, enquanto o Colonel de Woody Harrelson talvez soe meio estereotipado a principio. A principio, pois não é difícil o reconhecer em tempos de idealistas fanáticos.


Impossível terminar o review sem comentar o trabalho incrível de Michael Giachinno na trilha do filme, misturando seu histórico em produções Disney com um quê clássico que deixou o filme ainda mais grandioso e único. Um clássico único, é em que esse filme transforma a trilogia Planeta dos Macacos, a ponto de ter me deixado com a estranha sensação de satisfação com o resultado morno da bilheteria, pois se com isso for possível garantir que encerrem aqui essa saga, é um resultado que veio a calhar. Ela conclui seu objetivo, se encaixa até bem ao original de 1968 e eu só consigo esperar por um lindo Box para colocar junto a outras coleções memoráveis. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fox Agora é Disney: Isso Não é Uma Boa Notícia

Eu tenho sido veemente contra toda a situação da compra da maior parte do conglomerado Fox pela Disney desde que o acordo foi anunciado. Enquanto a comunidade nerd comemorava a possível volta dos X-men e do Quarteto Fantástico as mãos da Marvel, finalmente ingressando ao bem sucedido Marvel Studios, eu venho tentando debater que essa compra é muito maior que isso. A cada nova informação eu fiz postagens questionando o impacto negativo que a mudança teria no cinema como um todo e, agora que chegamos a uma realidade onde essa compra aconteceu, resolvi fazer esse texto argumentando do porque essa compra é uma péssima noticia.
A primeira coisa que precisa ser entendida é que Disney dessa vez não está adquirindo Marvel Studios, ou Lucas Films, ou Pixar, que lançavam de um a dois filmes ao ano. O 20th Century Fox era um dos seis maiores estúdios de cinema de Hollywood e um dos mais antigos inclusive, com uma agenda que chegava a DOZE filmes por ano, a par com Warner, Paramount, Universal …

Review: Coringa

Apesar de ter ganhado o renomado Festival de Cinema de Veneza, Coringa detém neste momento uma média de 69% por parte da crítica no Rotten Tomatoes. Algumas semanas antes de seu lançamento, uma polêmica surgiu baseada no receio do filme ser “irresponsável”, incentivar a violência ou o movimento Incel. A conclusão que cheguei após assistir ao filme é que a parcela da sociedade com essas reações não estava com medo do filme, ela estava ultrajada. Nada incomoda mais que o espelho. E é isso que Coringa coloca a nossa frente,um espelho do que uma sociedade decadente é capaz de fazer com seus cidadãos mais frágeis, uma sociedade que podemos reconhecer como quem vê o próprio reflexo.
Estamos acostumados a ir ao cinema para acompanhar a jornada do herói, clássica, que mostra os caminhos, os encontros e as oportunidades que elevam um ser humano ao status quo admirável, ao seu melhor. O que Todd Phillips fez aqui foi pela primeira (ou ao menos rara) vez apresentar a perfeita jornada do vilão,…

Ranking: Os Filmes de Super-Heróis de 2018

O gênero mais lucrativo de Hollywood teve um 2018 movimentado. Seis filmes foram lançados por diferentes estúdios, um numero que por pouco não foi maior antes da Fox adiar dois títulos para o ano que vem. Os resultados foram de bilheterias altas, reações mistas e universos cinematográficos se expandindo ainda mais. Dito isso, segue meu ranking dos lançamentos baseados em quadrinhos desse ano, do melhor ao pior:
1 – Pantera Negra Antes de mais nada, eu concordo com os argumento de que, retirando o impacto social, Pantera Negra é um filme de super heróis bem tradicional e com uma jornada do herói bem típica (além de um terceiro ato carregado a CGI). Porém o tamanho da representatividade que ele trouxe ao business de Hollywood, os paradigmas que quebrou e o evento cultural que estabeleceu são indiscutíveis, e se isso tudo eleva o material, mérito dele. Some isso a atuações incríveis, visuais dos mais criativos e um novo e interessantíssimo cenário a ser explorado no já gigantesco univers…