Pular para o conteúdo principal

Review: Atômica



O filme anterior do diretor David Leitch, De Volta ao Jogo, realizado em parceria com Chad Stahelski, chamou muito a atenção por pegar a tradicionalíssima formula dos filmes de ação sobre assassinos espiões e dar uma modernizada, ao mesmo tempo em que modernizava Keanu Reeves, no que foi considerado seu retorno. Apesar do ar fresco dado a tal formula, existia algo que a antiga e a nova visão mantinham: um protagonista masculino. Como sempre, um homem chutando milhões de bundas por aí. E é por essa “falha” no anterior que seu novo trabalho, Atômica, sai à frente.

Tão formulatico quanto o anterior, aqui talvez até mais por repetir a versão modernizada da formula, Atômica adiciona uma camada a mais de novidade por colocar uma mulher no papel de ação sempre dominado por homens em papel totalmente igualitário. Ela não bate e nem apanha menos ou mais que Reeves, ou Jason Staham, ou Steven Seagal, e a principal competência da proposta aqui é mostrar isso de forma crua e crível. Claramente o que se precisava era apenas uma atriz com fisicalidade suficiente para tanto, e essa é Charlize Theron.

Tal como sua atuação já estava gabaritada por seu Oscar e seu desempenho em ação já estava provado por Mad Max: Fury Road, Theron aqui reafirma que é uma força da natureza. Sua habilidade, seu esforço, sua exaustão e sua estratégia para ser capaz de derrubar homens com duas vezes o seu tamanho são resultado não só de atuação, mas também de uma expressão corporal absurda. Isso, somado a uma coreografia e uma filmagem impecáveis, entregam a critérios de sequências de luta um resultado praticamente perfeito.

Aqui entramos nos créditos ao diretor. Leitch já tinha mostrado no trabalho anterior (e aqui confirma) que sabe exatamente o que está fazendo quando se trata de filmar uma luta. Ele sabe quando filmar de perto, quando filmar de longe, quando aplicar cortes, quando montar  “plano sequência” e com isso entregou aqui em pelo menos duas cenas as melhores sequências de ação que eu já vi na vida. O trabalho de fotografia e trilha do filme também é lindo, abraçam um retrato estereotipado e punk da Guerra Fria que funciona muito bem no contexto geral.

É claro que ainda assim o filme tem seus problemas, e eles estão concentrados em roteiro e historia. A complexidade da historia com três a quatro plot twists talvez pudesse soar ousado, porém acaba soando demais para a proposta do filme, que poderia ter de aproveitado de um desenrolar mais simples. Além disso, a escolha por uma historia narrada e não que acontece em tempo real talvez não tenha sido a ideal, deixando o filme um pouco longo.


Nada disso porém estraga a experiência ou tira méritos do filme como um todo, que vem como mais uma quebra de barreira de gênero em um ano onde mais um seguimento hollywoodiano consegue mostrar o poder de protagonistas femininas. O elenco de apoio só serve para engrandecer o que facilmente é um novo ícone de ação em um filme mais que bem-vindo. Vale demais o ingresso e mal posso esperar para ver o que Leitch fará em Deadpool 2, seu próximo projeto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Review: Mãe!

Se tratando de um filme tão diferente quanto Mãe!, não é estranho que esse vá ser um review diferente. Neste review em especial eu vou falar o que achei do filme e o que entendi dele, por essa razão já darei um aviso: se você não assistiu ao filme ainda, pare por aqui e volte apenas quando tiver assistido. Digo isso porque o filme é pura metáfora e simbologia, deixando passível a diversas interpretações e a melhor maneira de descobrir a sua é ir ao cinema sem influências.
Ainda aqui? Ok, vamos lá. Eu estranhei muito quando, ao fim da sessão, ouvi alguém dizer algumas filas acima de mim: “- Não entendi nada”. Vivemos em uma sociedade de grande maioria religiosa ou de pelo menos criação religiosa e onde a Bíblia Sagrada é o livro mais vendido do mundo, sendo assim, como é possível que as pessoas tenham dificuldade em entender uma analogia a ela quando veem? Pois pra mim essa foi a interpretação primaria de Mãe!, uma grande releitura da Bíblia, desde Gênesis até o Apocalipse, em uma ve…

Por que "Mulher-Maravilha" é um Filme Importante

Eu tenho sido um grande entusiasta do filme da Mulher-Maravilha nas minhas redes sociais, e tenho aproveitado toda oportunidade para divulgar algo que sai sobre ele no espacinho do meu pequeno blog. Tenho mesmo! Com isso outro dia me perguntaram: “Mas como você sabe que o filme vai ser bom?” e a resposta é bem simples, eu não sei! Na verdade, com a estreia se aproximando eu tenho ficado cada vez mais tenso pois é a minha heroína favorita chegando aos cinemas, eu quero muito que venha aí um filme excelente e eu não tenho ideia se ele será. Mas existe uma certeza que eu tenho e é nela que se baseia toda essa minha promoção do filme, a de que ele importantíssimo!  
Por isso resolvi fazer esse texto faltando cerca de 9 dias para a estreia, para explicar um pouco o que faz dele mais que só outro filme de super heróis dentre os vários que temos todo ano e porque é tão importante que ele se saia bem. Talvez você conheça muitos dos motivos a seguir, talvez conheça, mas não tenha os considerado…

Review: Liga da Justiça

Poucas vezes eu quis tanto ver um filme estrear. Para alguém que como eu, acompanha o noticiário hollywoodiano diariamente, todo o processo de produção, divulgação e lançamento deste filme foi extremamente exaustivo, focado em noticias sobre direção, produção, bigodes, e até mesmo sobre a permanência de atores para DEPOIS do filme, numa tentativa incansável de estabelecer que ele não viesse a funcionar. Bem, isso pode até ter se tornado verdade em critérios de bilheteria inicialmente, mas no que diz respeito ao longa em si, fico feliz em dizer que, apesar dos pesares, o saldo foi positivo com um filme bastante divertido.
Alias, “diversão” é a palavra mágica sobre Liga da Justiça. Claramente houve uma correção de curso no tom qual a DC vinha construindo seus filmes, em especial quando Joss Whedon assumiu este aqui. Essa nova e divertida pegada aplicada ao filme conseguiu superar problemas de historia e roteiro que ele tem, tal como um vilão bem qualquer coisa, o transformando em um e…