Pular para o conteúdo principal

Review - IT: A Coisa



O relacionamento entre o cinema e as obras de Stephen King é longo, você encontra adaptações de sua obra desde O Iluminado até o mais recente A Torre Negra. Foram proporcionados vários altos e baixos, com um dos maiores momentos sendo a minissérie televisiva dos anos 1990 de It – A Coisa, chamado de “Uma obra prima do medo”, um marco inclusive pela performance de Tim Curry no papel do palhaço Pennywise. Pois comparações a parte, com a nova adaptação, IT volta a ser um marco.

A primeira coisa que preciso discutir aqui é o fato de que, pelo menos nessa nova versão, não se trata propriamente de um filme de terror, não aquele terror convencional, focado em assustar e etc. Ele assusta, e talvez seja bem eficaz nessa parte com um publico que tal como eu é fraco para o gênero, porém quem for ao cinema buscando as experiências da franquia Invocação do Mal, por exemplo, talvez venha a se decepcionar. Este filme é sobre os desafios e perigos que se pode enfrentar na adolescência como bullyng, racismo, sexualidade e até mesmo pedofilia; é sobre família e amizade (no melhor e pior dos lados), tudo isso trabalhado em um contexto de terror.

A grandiosidade desse filme se resume a roteiro e atuação. A historia foi incrivelmente adaptada para linguagem cinematográfica e não usar flashbacks, mas sim fazer esse primeiro capitulo voltado para a adolescência dos Loosers, foi o melhor caminho (para quem não sabe, o livro e a minissérie se passam em dois momentos, na adolescência e na vida adulta dos personagens). Você tem tempo para conhecer cada um deles, o que dá contexto aos seus medos quando atacados pelo palhaço, além de conhecer a cidade e aos coadjuvantes que a fazem tão estranha. É uma população medonha. Porém isso não seria eficiente se não fosse a atuação do elenco, dando a Hollywood uma lista completa de novos talentos com extremo potencial. Cada um deles tem uma performance solida e única com seus respectivos personagens, tornando o grupinho muito interessante e diverso.

Isso não significa que quando se trata do palhaço ele não entregue. A interpretação de Bill Skarsgård traz um Pennywise inteligente, argumentativo e articulado, claramente o pior tipo de monstro a se enfrentar, afinal, é um monstro esperto, que sabe o que está fazendo. Você quase sente que pode ter uma conversa completa com Pennywise. A interpretação corporal também é fantástica, com o filme usando mais efeitos práticos que especiais e permitindo ao ator fazer dele fisicamente perigoso também.  


A nova versão de IT – A Coisa se torna um evento da cultura pop (o que fica claro no resultado inicial da bilheteria) por atualizar o contexto que já tinha sido vencedor com mais camadas, com mais profundidade. É o exemplo perfeito de aproveitar um momento de nostalgia em alta a favor de uma nova interpretação de algo clássico. Um reboot que quando anunciado soou muito gratuito e provou totalmente que não é, existia mais a contar aqui e conseguiram, proporcionando a audiência de 2017 um terror muito sofisticado, como raramente temos. Valeu muito o ingresso e a noite mal dormida!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Review: Mãe!

Se tratando de um filme tão diferente quanto Mãe!, não é estranho que esse vá ser um review diferente. Neste review em especial eu vou falar o que achei do filme e o que entendi dele, por essa razão já darei um aviso: se você não assistiu ao filme ainda, pare por aqui e volte apenas quando tiver assistido. Digo isso porque o filme é pura metáfora e simbologia, deixando passível a diversas interpretações e a melhor maneira de descobrir a sua é ir ao cinema sem influências.
Ainda aqui? Ok, vamos lá. Eu estranhei muito quando, ao fim da sessão, ouvi alguém dizer algumas filas acima de mim: “- Não entendi nada”. Vivemos em uma sociedade de grande maioria religiosa ou de pelo menos criação religiosa e onde a Bíblia Sagrada é o livro mais vendido do mundo, sendo assim, como é possível que as pessoas tenham dificuldade em entender uma analogia a ela quando veem? Pois pra mim essa foi a interpretação primaria de Mãe!, uma grande releitura da Bíblia, desde Gênesis até o Apocalipse, em uma ve…

Por que "Mulher-Maravilha" é um Filme Importante

Eu tenho sido um grande entusiasta do filme da Mulher-Maravilha nas minhas redes sociais, e tenho aproveitado toda oportunidade para divulgar algo que sai sobre ele no espacinho do meu pequeno blog. Tenho mesmo! Com isso outro dia me perguntaram: “Mas como você sabe que o filme vai ser bom?” e a resposta é bem simples, eu não sei! Na verdade, com a estreia se aproximando eu tenho ficado cada vez mais tenso pois é a minha heroína favorita chegando aos cinemas, eu quero muito que venha aí um filme excelente e eu não tenho ideia se ele será. Mas existe uma certeza que eu tenho e é nela que se baseia toda essa minha promoção do filme, a de que ele importantíssimo!  
Por isso resolvi fazer esse texto faltando cerca de 9 dias para a estreia, para explicar um pouco o que faz dele mais que só outro filme de super heróis dentre os vários que temos todo ano e porque é tão importante que ele se saia bem. Talvez você conheça muitos dos motivos a seguir, talvez conheça, mas não tenha os considerado…

Review: Liga da Justiça

Poucas vezes eu quis tanto ver um filme estrear. Para alguém que como eu, acompanha o noticiário hollywoodiano diariamente, todo o processo de produção, divulgação e lançamento deste filme foi extremamente exaustivo, focado em noticias sobre direção, produção, bigodes, e até mesmo sobre a permanência de atores para DEPOIS do filme, numa tentativa incansável de estabelecer que ele não viesse a funcionar. Bem, isso pode até ter se tornado verdade em critérios de bilheteria inicialmente, mas no que diz respeito ao longa em si, fico feliz em dizer que, apesar dos pesares, o saldo foi positivo com um filme bastante divertido.
Alias, “diversão” é a palavra mágica sobre Liga da Justiça. Claramente houve uma correção de curso no tom qual a DC vinha construindo seus filmes, em especial quando Joss Whedon assumiu este aqui. Essa nova e divertida pegada aplicada ao filme conseguiu superar problemas de historia e roteiro que ele tem, tal como um vilão bem qualquer coisa, o transformando em um e…