Pular para o conteúdo principal

Review - IT: A Coisa



O relacionamento entre o cinema e as obras de Stephen King é longo, você encontra adaptações de sua obra desde O Iluminado até o mais recente A Torre Negra. Foram proporcionados vários altos e baixos, com um dos maiores momentos sendo a minissérie televisiva dos anos 1990 de It – A Coisa, chamado de “Uma obra prima do medo”, um marco inclusive pela performance de Tim Curry no papel do palhaço Pennywise. Pois comparações a parte, com a nova adaptação, IT volta a ser um marco.

A primeira coisa que preciso discutir aqui é o fato de que, pelo menos nessa nova versão, não se trata propriamente de um filme de terror, não aquele terror convencional, focado em assustar e etc. Ele assusta, e talvez seja bem eficaz nessa parte com um publico que tal como eu é fraco para o gênero, porém quem for ao cinema buscando as experiências da franquia Invocação do Mal, por exemplo, talvez venha a se decepcionar. Este filme é sobre os desafios e perigos que se pode enfrentar na adolescência como bullyng, racismo, sexualidade e até mesmo pedofilia; é sobre família e amizade (no melhor e pior dos lados), tudo isso trabalhado em um contexto de terror.

A grandiosidade desse filme se resume a roteiro e atuação. A historia foi incrivelmente adaptada para linguagem cinematográfica e não usar flashbacks, mas sim fazer esse primeiro capitulo voltado para a adolescência dos Loosers, foi o melhor caminho (para quem não sabe, o livro e a minissérie se passam em dois momentos, na adolescência e na vida adulta dos personagens). Você tem tempo para conhecer cada um deles, o que dá contexto aos seus medos quando atacados pelo palhaço, além de conhecer a cidade e aos coadjuvantes que a fazem tão estranha. É uma população medonha. Porém isso não seria eficiente se não fosse a atuação do elenco, dando a Hollywood uma lista completa de novos talentos com extremo potencial. Cada um deles tem uma performance solida e única com seus respectivos personagens, tornando o grupinho muito interessante e diverso.

Isso não significa que quando se trata do palhaço ele não entregue. A interpretação de Bill Skarsgård traz um Pennywise inteligente, argumentativo e articulado, claramente o pior tipo de monstro a se enfrentar, afinal, é um monstro esperto, que sabe o que está fazendo. Você quase sente que pode ter uma conversa completa com Pennywise. A interpretação corporal também é fantástica, com o filme usando mais efeitos práticos que especiais e permitindo ao ator fazer dele fisicamente perigoso também.  


A nova versão de IT – A Coisa se torna um evento da cultura pop (o que fica claro no resultado inicial da bilheteria) por atualizar o contexto que já tinha sido vencedor com mais camadas, com mais profundidade. É o exemplo perfeito de aproveitar um momento de nostalgia em alta a favor de uma nova interpretação de algo clássico. Um reboot que quando anunciado soou muito gratuito e provou totalmente que não é, existia mais a contar aqui e conseguiram, proporcionando a audiência de 2017 um terror muito sofisticado, como raramente temos. Valeu muito o ingresso e a noite mal dormida!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que o Live-action de Mulan Não Será um Remake da Animação

Assim como parte do publico pela internet a fora, eu vinha incomodado com o fato do live-action de Mulan estar tomando uma forma bem diferente da animação clássica de 1998 lançada pela Disney. Afinal, desde Cinderella (2015), o estúdio vem conquistando o publico adulto através da nostalgia, com versão “em carne e osso” das historias com as quais crescemos, acrescentando no máximo uma camada a mais nas modernizadas versões com atores reais em cena. Foi esse incomodo com a mudança de estratégia que me fez ir pesquisar sobre, o que acabou me fazendo entender os motivos por trás dessa decisão e inclusive me converter, pois comercialmente é sim o caminho correto a se seguir.
O que diferencia Mulan de projetos como Cinderella, Mogli e A Bela e a Fera é uma questão bem objetiva: a China. E não, a Disney não está tomando decisões por causa da cultura ou das tradições chinesas, longe disso, o que está sendo levado em conta aqui é o que pode fazer o filme ter um retorno financeiro melhor, e ne…

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Venom

Desde seu renascimento em 2000 com o primeiro X-men, as adaptações de quadrinhos seguiram um longo percurso. Hoje é possível dividir essa era moderna dos super heróis em duas fases: Entre 2000 e 2008, onde o cinema estava brincando com gênero da maneira que sabia ou conseguia, e o pós 2008, onde Cavaleiro das Trevas e o surgimento do Marvel Studios com Homem de Ferro redefiniram o conceito e a forma de trabalhar esse conteúdo. Mais recentemente, títulos como Logan, Pantera Negra, Deadpool e Mulher-Maravilha abriram novos e mais refinados horizontes cinematográficos para o gênero. Eis que agora vem Venom proporcionar retrocesso.
Sim, pois essa é uma perfeita adaptação de quadrinhos de 2004 ou 2006. Desde o roteiro recheado a clichês e diálogos absurdamente expositivos a um vilão da profundidade de um pirex que só aparece para reforçar artificialmente como é mal, o filme parece se esforçar em repetir erros que eu achei que o gênero já tinha aprendido a não cometer. Inclusive, o banal …