Pular para o conteúdo principal

Review: Kingsman - O Círculo Dourado




Quando uma nova franquia consegue a proeza da autorreferência e, mais importante, faz com que o público capte essas referências sem explicações desnecessárias, então significa que ela está no caminho certo, e isso é perceptível em Kingsman: O Círculo Dourado. Na continuação do longa de 2015, que foi uma das maiores surpresas do cinema de ação nos últimos anos, o cineasta Matthew Vaughn manteve todos os elementos que fizeram do primeiro um sucesso de público e crítica, homenageando ainda a loucura introduzida pela série cinematográfica que, se depender desses dois primeiros episódios, tem um potencial enorme.


Mais do que manter as características já inerentes à marca Kingsman nos cinemas, O Círculo Dourado consegue também elevar o nível em diversos sentidos. O primeiro deles já é óbvio só de olhar para o pôster. Uma produção que reúne figuras como Colin Firth, Julianne Moore, Halle Barry, Jeff Bridges, Mark Strong e Elton John (numa participação maravilhosa, tornando-o inclusive dono de grande parte das melhores cenas) já dá motivos de sobra para que o filme não passe em branco. A presença de alguns desses nomes, no entanto, pode parecer um pouco desperdiçada em determinados momentos, mas no decorrer da trama percebemos que os planos para o futuro da franquia envolvem vários deles, e que esse segundo filme pode ter servido apenas como uma introdução para um ou outro personagem brilhar mais pra frente.


A vilã psicopata e carismática de Julianne Moore (numa atuação muito bem-humorada) é uma dessas que poderiam ter rendido mais, mas a atriz se mostra tão à vontade no papel, provavelmente o dinheiro mais fácil que ela já conseguiu em sua carreira, que não sobra muito espaço para críticas. O elenco todo, na verdade, parece se divertir bastante trabalhando e isso fica evidente no entrosamento deles em tela, uma química que funciona muito bem tanto entre os mais experientes quanto entre os jovens que protagonizam a história.


Talvez a missão mais difícil desse segundo longa seria superar as mirabolantes cenas de ação do primeiro, e a tarefa foi concluída com sucesso. Ainda que aqui não tenhamos um momento icônico como aquele da igreja (uma cena tão surreal e ridiculamente incrível que merece entrar para a história), a variedade de ambientes, os planos-sequência e as lutas coreografadas ficam ainda mais legais agora. O fato de que o filme não economiza no sangue também ajuda, mas não chega a ser uma violência gratuita justamente por estar totalmente atrelada ao humor, que também é ainda mais presente e, ouso dizer, muito melhor que no primeiro.


Apesar de todo o clima divertido e despretensioso, ainda sobra espaço para posicionamentos políticos sobre alguns assuntos como a legalização das drogas e a guerra travada contra os traficantes, além de uma sátira hilária do então presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, fugindo do óbvio para cutucar as opiniões absurdas do republicano, com gestos e frases de efeito pontuais tragicômicos ao lembrarmos que vêm de uma figura real.


Kingsman: O Círculo Dourado serviu, acima de tudo, para consagrar o nome da franquia na história recente do cinema de ação, reforçando os elementos que se tornaram características dela. Qualquer outro longa por aí que conte com o combo atuações exageradas + cenas surreais de luta + violência casual + humor refinado já vai logo remeter às aventuras dos agentes Galahad. Basta que daqui pra frente o nível siga sendo mantido, e o público vai sempre sair do cinema já querendo a continuação. Até aqui, essa cartilha foi seguida com maestria. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Review: Mãe!

Se tratando de um filme tão diferente quanto Mãe!, não é estranho que esse vá ser um review diferente. Neste review em especial eu vou falar o que achei do filme e o que entendi dele, por essa razão já darei um aviso: se você não assistiu ao filme ainda, pare por aqui e volte apenas quando tiver assistido. Digo isso porque o filme é pura metáfora e simbologia, deixando passível a diversas interpretações e a melhor maneira de descobrir a sua é ir ao cinema sem influências.
Ainda aqui? Ok, vamos lá. Eu estranhei muito quando, ao fim da sessão, ouvi alguém dizer algumas filas acima de mim: “- Não entendi nada”. Vivemos em uma sociedade de grande maioria religiosa ou de pelo menos criação religiosa e onde a Bíblia Sagrada é o livro mais vendido do mundo, sendo assim, como é possível que as pessoas tenham dificuldade em entender uma analogia a ela quando veem? Pois pra mim essa foi a interpretação primaria de Mãe!, uma grande releitura da Bíblia, desde Gênesis até o Apocalipse, em uma ve…

Por que "Mulher-Maravilha" é um Filme Importante

Eu tenho sido um grande entusiasta do filme da Mulher-Maravilha nas minhas redes sociais, e tenho aproveitado toda oportunidade para divulgar algo que sai sobre ele no espacinho do meu pequeno blog. Tenho mesmo! Com isso outro dia me perguntaram: “Mas como você sabe que o filme vai ser bom?” e a resposta é bem simples, eu não sei! Na verdade, com a estreia se aproximando eu tenho ficado cada vez mais tenso pois é a minha heroína favorita chegando aos cinemas, eu quero muito que venha aí um filme excelente e eu não tenho ideia se ele será. Mas existe uma certeza que eu tenho e é nela que se baseia toda essa minha promoção do filme, a de que ele importantíssimo!  
Por isso resolvi fazer esse texto faltando cerca de 9 dias para a estreia, para explicar um pouco o que faz dele mais que só outro filme de super heróis dentre os vários que temos todo ano e porque é tão importante que ele se saia bem. Talvez você conheça muitos dos motivos a seguir, talvez conheça, mas não tenha os considerado…

Review: Liga da Justiça

Poucas vezes eu quis tanto ver um filme estrear. Para alguém que como eu, acompanha o noticiário hollywoodiano diariamente, todo o processo de produção, divulgação e lançamento deste filme foi extremamente exaustivo, focado em noticias sobre direção, produção, bigodes, e até mesmo sobre a permanência de atores para DEPOIS do filme, numa tentativa incansável de estabelecer que ele não viesse a funcionar. Bem, isso pode até ter se tornado verdade em critérios de bilheteria inicialmente, mas no que diz respeito ao longa em si, fico feliz em dizer que, apesar dos pesares, o saldo foi positivo com um filme bastante divertido.
Alias, “diversão” é a palavra mágica sobre Liga da Justiça. Claramente houve uma correção de curso no tom qual a DC vinha construindo seus filmes, em especial quando Joss Whedon assumiu este aqui. Essa nova e divertida pegada aplicada ao filme conseguiu superar problemas de historia e roteiro que ele tem, tal como um vilão bem qualquer coisa, o transformando em um e…