Pular para o conteúdo principal

Review: Mãe!



Se tratando de um filme tão diferente quanto Mãe!, não é estranho que esse vá ser um review diferente. Neste review em especial eu vou falar o que achei do filme e o que entendi dele, por essa razão já darei um aviso: se você não assistiu ao filme ainda, pare por aqui e volte apenas quando tiver assistido. Digo isso porque o filme é pura metáfora e simbologia, deixando passível a diversas interpretações e a melhor maneira de descobrir a sua é ir ao cinema sem influências.

Ainda aqui? Ok, vamos lá. Eu estranhei muito quando, ao fim da sessão, ouvi alguém dizer algumas filas acima de mim: “- Não entendi nada”. Vivemos em uma sociedade de grande maioria religiosa ou de pelo menos criação religiosa e onde a Bíblia Sagrada é o livro mais vendido do mundo, sendo assim, como é possível que as pessoas tenham dificuldade em entender uma analogia a ela quando veem? Pois pra mim essa foi a interpretação primaria de Mãe!, uma grande releitura da Bíblia, desde Gênesis até o Apocalipse, em uma versão inclusive tão mais interessante e coesa ao mundo que vejo a minha volta que arrisco dizer que se fosse essa a versão oficial, eu talvez não tivesse me afastado de religiões.

Sobre como entendi a metáfora do filme. Nele encontramos a mãe (Natureza) e o poeta (Deus) sozinhos em sua casa (o mundo); ela dedicada a reconstruir a casa uma vez destruída e vazia para ele, enquanto ele claramente se sente sozinho e sofre com seu vácuo criativo, que o impede de escrever seu novo poema. É quando chega primeiro o Homem (Adão) e logo em seguida a Mulher (Eva), recebidos pelo poeta de braços abertos e sem consultar a Mãe, violando a paz daquele lar. Não demora até que venham também os filhos (Cain e Abel) em um caos que enche a casa, desordena e só tem fim quando o contrariar a Mãe inunda a casa (o dilúvio). Esses acontecimentos finalmente inspiram o poeta a gerar novas criações, em texto e no filho feito na mãe, porém seu poema (a palavra de Deus) atrai admiradores e seguidores, que entendem suas palavras cada um a sua maneira, dando vida a diferentes cultos, a supostos direitos de violação de seu lar. Eles entendem que tudo que ele deseja compartilhar com seus fieis lhes dá direito a destruir, desde sua casa até seu filho (Cristo).

A força de Mãe! começa na historia. Todos os pontos de vista dela são escritos de forma crua, talvez filosófica, mas bem coerente. A crítica a humanidade e seus viés sempre destrutivos e inconvenientes, como de uma eterna criança perante os pais (Deus e a Natureza) são escancarados no nosso pior. Pegue por exemplo a comentada cena da pia, onde somos avisados pela natureza uma, duas, três vezes do perigo e insistimos em fazer até que o pior aconteça. E não se engane achando que é apenas um filme que aponta o pior da humanidade, o próprio Deus é questionado! Até onde não é da sua falta de clareza ou interferência a responsabilidade também?
 
A outra metade da força do longa está nos personagens, na diversidade de personalidades apresentadas por eles e consistência das interpretações. Jennifer Lawrence compõe uma Mãe criativa, linda, sentimental e dedicada, a Ele e ao mundo que constrói, mas que quando contrariada pode ser uma força incontrolável. Javier Bardem traz um Deus compreensivo, consolador, de braços abertos, mas que também é egoísta e necessitado de atenção, capaz do perdão incondicional também porque não quer abrir mão de seus admiradores. Michelle Pfeiffer e Ed Harris apresentam um casal que a primeira vista se parece com aquele que os acolhe, porém com a falta de limites e a curiosidade de quem invade e não se importa em respeitar os limites de um lar que lhes acolhe.


O que Daren Aronofsky apresenta aqui é porque a sociedade é um projeto que dá errado e onde estão as parcelas de responsabilidade por isso. O filme começa pelo fim e volta ao começo para mostrar como nosso caminho é a destruição e que mesmo assim, Deus prefere recomeçar e apostar em sua criação mais uma vez. Tudo isso por nós e por ele mesmo, sendo a única vitima a natureza, que constrói, sofre e se revolta, mas continua o amando, amor que nos permite outra oportunidade. Mãe! narra a mais cheia de alegorias e metáforas de todas as historias de forma tão lúdica quanto a versão original, porém com mais crueldade. Talvez não a entender aqui diga muito sobre ela nunca ter sido entendida lá no chamado Livro Sagrado também. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Pantera Negra

Antes de começar nossa conversa, gostaria de ressaltar que aqui discutirei apenas o filme enquanto produção. Existe uma forte e IMPORTANTÍSSIMA discussão cultural e social que é parte indispensável do longa, porém eu não faço parte dessa demografia, posso fazer uma ideia, mas não conheço essa importância, essa vivencia, então posteriormente pretendo convidar algum representante da comunidade negra para escrever sobre essa parte aqui.
Por hora, vamos discutir o filme, e que filme! Apesar de grande fã do Marvel Studios e defensor do reconhecimento de sua liderança no gênero de super-heróis, já venho a algum tempo criticando a falta de seriedade e o quê formulatico de seu universo, constantemente contendo suas produções em tom e não os permitindo “engrossar” a conversa. Pois finalmente o estúdio se permite ultrapassar esse limite com Pantera Negra.
Esse é sem duvidas um filme de super-heróis, porém ele é mais que isso. Aqui se fala sobre tradição, cultura, crença e especialmente se que…