Pular para o conteúdo principal

Ranking: Os filmes de Super-Heróis de 2017!




Antes de começar essa lista preciso destacar algo importante: não tivemos nenhum filme ruim do
gênero de super-heróis esse ano! Importantíssimo pois mostra o crescimento do segmento em
Hollywood e a preocupação com a qual estúdios tem o tratado, além de atestar contra a suposta
fadiga que vem sendo profetizada por anos. Nesse ritmo ela vai demorar a acontecer. Sem mais
delongas, vamos ao ranking dos meus favoritos.

1 - Logan
Sem exagero, Logan é o mais próximo que o gênero já chegou de fazer um filme arte. Logan é poético, é sobre as relações e os demônios pessoais de um herói que já viveu demais, além de pela primeira vez tocar num ponto onde todos chegamos: a velhice, suas limitações, o fim da vida. As atuações são intensas, as decisões são corajosas e somada a versão preto e branco, esse é um novo clássico. Logan não é só um ótimo filme de gênero, é um ótimo filme e ponto.



Foram 75 anos de espera, mas a maior super-heroína de todas finalmente ganhou seu primeiro filme
solo, e que lindo foi esse debut! Seguindo a necessária fórmula do filme-origem de super-herói para um
nome que nunca recebeu um tratamento nessa mídia, a diretora Patty Jenkins seguiu a jornada do herói
com muitas decisões de bom gosto, que somadas ao carisma de Gal Gadot e o charme de Chris Pine
trouxeram Diana de Temiscira ao nível de seus colegas de trindade da DC.



Os guardiões de James Gunn trouxeram originalidade e sagacidade ao Universo Cinematográfico
Marvel e na continuação não foi diferente. Cumprindo todas as obrigações da sequência de um sucesso,
o filme levou o time um passo a frente, expandiu seu universo e sua mitologia, além de proporcionar o
melhor vilão do UCM até hoje (que também é o melhor vilão do ano). Dei um crédito especial a ele
também por não ter caído na armadilha do over-use do imediatamente popular Baby Groot.



O que dizer de um filme que trouxe Cate Freaking Blanchett ao genero de super-herois? Era bem claro
que o Marvel Studios não sabia o que fazer com Thor e entrega-lo nas mãos de Taika Waititi foi a melhor
decisão. Claramente inspirado no que vinha sendo feito com Guardiões, esse humor exagerado e auto
-paródia funcionou muito bem nas origens absurdas do personagem e fez excelente uso da veia cômica
do protagonista. Não é tão memorável, mas deu vida nova a uma franquia que até então era a mais
esquecível no vasto universo qual faz parte.


Digam o que quiserem, apontem o quanto for a conturbada produção, o importante é o produto final, e o
que Liga da Justiça entregou foi uma experiência divertidíssima. O elenco é impecável, tem a química
necessária para que um grupo funcione, trouxe a melhor versão até agora do Superman de Henry Cavill
e inclusive seu retorno está entre as minhas sequências favoritas do gênero. Esse filme está nessa
posição por outra razão importante: fator replay. Eu vou voltar a esse filme incansavelmente, vai ser
daqueles de reassistir diversas vezes, pois é entretenimento puro.


Sim, eu tenho uma boa razão para o queridíssimo reboot do Aranha dentro do UCM estar em última
posição (lembrando que não achei nenhum filme aqui ruim). Todos os filmes acima tem pelo menos
uma sequência memorável, uma cena que entra fácil nas melhores já proporcionadas pelo gênero,
menos esse. Todo super herói precisa de seu grande momento, do momento pelo qual será lembrado,
e apesar de leve, divertido e certamente a melhor opção de reinterpretação do personagem no
momento, o único grande momento dele é um callback ao filme de 2004 que precisa do resgate do
Homem de Ferro. Repito, excelente abordagem, sem duvidas a ideal, mas faltou aquele momento.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que o Live-action de Mulan Não Será um Remake da Animação

Assim como parte do publico pela internet a fora, eu vinha incomodado com o fato do live-action de Mulan estar tomando uma forma bem diferente da animação clássica de 1998 lançada pela Disney. Afinal, desde Cinderella (2015), o estúdio vem conquistando o publico adulto através da nostalgia, com versão “em carne e osso” das historias com as quais crescemos, acrescentando no máximo uma camada a mais nas modernizadas versões com atores reais em cena. Foi esse incomodo com a mudança de estratégia que me fez ir pesquisar sobre, o que acabou me fazendo entender os motivos por trás dessa decisão e inclusive me converter, pois comercialmente é sim o caminho correto a se seguir.
O que diferencia Mulan de projetos como Cinderella, Mogli e A Bela e a Fera é uma questão bem objetiva: a China. E não, a Disney não está tomando decisões por causa da cultura ou das tradições chinesas, longe disso, o que está sendo levado em conta aqui é o que pode fazer o filme ter um retorno financeiro melhor, e ne…

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Venom

Desde seu renascimento em 2000 com o primeiro X-men, as adaptações de quadrinhos seguiram um longo percurso. Hoje é possível dividir essa era moderna dos super heróis em duas fases: Entre 2000 e 2008, onde o cinema estava brincando com gênero da maneira que sabia ou conseguia, e o pós 2008, onde Cavaleiro das Trevas e o surgimento do Marvel Studios com Homem de Ferro redefiniram o conceito e a forma de trabalhar esse conteúdo. Mais recentemente, títulos como Logan, Pantera Negra, Deadpool e Mulher-Maravilha abriram novos e mais refinados horizontes cinematográficos para o gênero. Eis que agora vem Venom proporcionar retrocesso.
Sim, pois essa é uma perfeita adaptação de quadrinhos de 2004 ou 2006. Desde o roteiro recheado a clichês e diálogos absurdamente expositivos a um vilão da profundidade de um pirex que só aparece para reforçar artificialmente como é mal, o filme parece se esforçar em repetir erros que eu achei que o gênero já tinha aprendido a não cometer. Inclusive, o banal …