Pular para o conteúdo principal

Review: Star Wars - Os Últimos Jedi



Eu reconheço os muitos méritos que O Despertar da Força tem e alcançou para a franquia Star Wars. O filme se manteve fiel aos conceitos e tons da saga original, ainda assim fazendo um balanço perfeito entre o nostálgico/clássico, conseguindo conversar com o público original. Dito isso, é inegável que o filme foi um grande recall do Episódio 4 em toda a sua estrutura, o que foi seu ponto mais fraco e é o mais forte deste Episódio 8: ser um capítulo totalmente inédito na jornada pela galáxia tão tão distante.

Seja no tom, na narrativa, nas decisões, na execução, tudo cheira a novo em Os Últimos Jedi, incluindo a interpretação dos personagens mais antigos restantes. Sim, pois estavam tão dispostos a entregar um filme não visto antes que até Luke, Leia e outro personagem surpresa aparecem aqui mostrando um lado que ainda não conhecíamos.  Mais que isso, a rebelião e o “império” tem novas nuances exploradas, revelando aqui fragilidade estrutural e até mesmo tendo seus lados expostos eticamente, através da inteligente participação de Benicio Del Toro (sempre excelente) no filme. Isso tudo culmina nas mensagens que o longa tem intenção de passar, que são também novidade e bastante fortes, e que corajoso ver os novos protagonistas sendo colocados a prova e errando. foi isso que permitiu que a primeira delas fosse entregada, a de aprender com os mais velhos, com quem já viveu muito. Outra importante e brava decisão vem na revelação dos pais da Rey, que trabalham diretamente o conceito da força e a segunda mensagem, de que ela pode nascer em qualquer lugar.

Esteticamente este também é o filme mais diferente da franquia, e eu arrisco dizer o mais épico. Fiquei muito impressionado com o trabalho de fotografia de Steve Yedlin nesse filme, pois cada plano, cada quadro, parece pensado como um wallpaper, como uma arte a ser usada posteriormente. Curioso porque eu sempre tiro sarro dos Michael Bays da vida e seus "contra luz" e explosões, mas aqui vemos que é possível usar desses artifícios de forma elegante e útil. Acredite, até o sal que cobre o chão de um lugar tem função além da estética. Dá pra gente englobar aqui também os efeitos especiais do filme, que trazem de volta o uso de efeitos práticos para espécies de forma mais que bem vinda, e usa os CGI e soluções digitais de forma bem criativa. Ouvi reclamações sobre as lutas com sabre de luz, mas particularmente as achei muito inventivas.

Não é como se o filme não tivesse seus problemas, ele tem, como todo grande filme. Todo o arco do Finn é voltado para trabalhar uma das mensagens do filme e eu entendi isso, porém acaba sendo desnecessário uma vez que essa mensagem já é fortemente trabalhada no arco do Poe e de forma muito mais eficaz. Poderiam ter colocado o personagem em função mais útil a trama, apesar do claro desenvolvimento que teve. A redução do tempo de duração também se fez clara com o desenvolvimento de outros personagens, que me passaram a impressão de que tinham mais a fazer e isso acabou morrendo no chão da sala de edição.

Apesar disso, esse ainda é o capítulo mais sólido da saga desde a trilogia original por elevar seu nível e finalmente ser um momento inédito para essa guerra. Aqui sim senti que estava vendo todo esse universo sendo usado de maneira mais imaginativa, mais de acordo com o que é possível realizar hoje, resultando em um filme épico, surpreendente e lindo, sem perder a identidade Star Wars, apenas se arriscando mais.  Não cabe dizer que vale o ingresso, pois isso não é um filme, é um evento e deve ser conferido, mas é super positivo. Espero que esse momento de originalidade não passe com a volta de JJ Abrams no Episódio IX.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Pantera Negra

Antes de começar nossa conversa, gostaria de ressaltar que aqui discutirei apenas o filme enquanto produção. Existe uma forte e IMPORTANTÍSSIMA discussão cultural e social que é parte indispensável do longa, porém eu não faço parte dessa demografia, posso fazer uma ideia, mas não conheço essa importância, essa vivencia, então posteriormente pretendo convidar algum representante da comunidade negra para escrever sobre essa parte aqui.
Por hora, vamos discutir o filme, e que filme! Apesar de grande fã do Marvel Studios e defensor do reconhecimento de sua liderança no gênero de super-heróis, já venho a algum tempo criticando a falta de seriedade e o quê formulatico de seu universo, constantemente contendo suas produções em tom e não os permitindo “engrossar” a conversa. Pois finalmente o estúdio se permite ultrapassar esse limite com Pantera Negra.
Esse é sem duvidas um filme de super-heróis, porém ele é mais que isso. Aqui se fala sobre tradição, cultura, crença e especialmente se que…

Review: Mãe!

Se tratando de um filme tão diferente quanto Mãe!, não é estranho que esse vá ser um review diferente. Neste review em especial eu vou falar o que achei do filme e o que entendi dele, por essa razão já darei um aviso: se você não assistiu ao filme ainda, pare por aqui e volte apenas quando tiver assistido. Digo isso porque o filme é pura metáfora e simbologia, deixando passível a diversas interpretações e a melhor maneira de descobrir a sua é ir ao cinema sem influências.
Ainda aqui? Ok, vamos lá. Eu estranhei muito quando, ao fim da sessão, ouvi alguém dizer algumas filas acima de mim: “- Não entendi nada”. Vivemos em uma sociedade de grande maioria religiosa ou de pelo menos criação religiosa e onde a Bíblia Sagrada é o livro mais vendido do mundo, sendo assim, como é possível que as pessoas tenham dificuldade em entender uma analogia a ela quando veem? Pois pra mim essa foi a interpretação primaria de Mãe!, uma grande releitura da Bíblia, desde Gênesis até o Apocalipse, em uma ve…