Pular para o conteúdo principal

Review: O Rei do Show




Desde que o vi apresentar o Oscar que eu tinha essa vontade de ver Hugh Jackman em um musical, mas não no estilo do excelente Os Miseráveis, eu queria o ver em um musical espetáculo como os que ele fazia no teatro quando o descobriram para fazer seu icônico papel do Wolverine. Pois tive meu sonho realizado com O Rei do Show, e que sonho bonito foi esse!

O musical preenche todos os requisitos de espetáculo, com números musicais inventivos, cheios de cores, coreografias e até mesmo efeitos especiais para reproduzir toda a grandiosidade do circo imaginado pelo protagonista de Jackman em seus mil sonhos. Aliás, é “A Million Dreams” o meu momento favorito, com quadros que entram fácil na lista de cenas mais bonitas que já vi no cinema. Um ou outro musical, especialmente os que se passam dentro do circo, acabam tendo uma aparência mais broadway que cinema, porém a intenção era possivelmente essa e condiz com o “sob a tenda” que virou a marca do circo futuramente.

Apesar de visualmente impecável, é na música que a magia de O Rei do Show de concretiza. Eu estou sem exagero ouvindo essa trilha sonora diariamente desde que assisti ao filme em dezembro, pois é impossível não se contagiar pelas letras motivacionais, pelos coros, pela crescente da melodia que leva a um ápice que se você se distrair, sai dançando pela rua. Neste requisito, além de Hugh Jackman, vale muito destacar Keala Settle, a Mullher-Barbada, que entrega a canção definitiva do filme com “This is Me”.

Além dos dois, impecáveis em seus papeis, vale muito destacar Zac Efron, que mostra que seu potencial para musicais vai muito além de High School Musical, algo em que ele devia investir mais. Aliás, o romance de seu personagem e Zendaya é muito convincente, até mesmo por trazer uma questão social importante para o filme. Acho importante destacar também que apesar do papel simples, Michelle Williams parece iluminada por uma luz “Grace Kelly” no filme, com um ar imaculado hipnotizador.

O ponto fraco do longa está na história. Escreveram uma jornadinha heroica tradicional, previsivel com todos os clichês de onde parte a onde chega. Fora isso, se a intenção era adaptar superficialmente a vida do criador do circo, deviam ter aberto mão dos nomes verdadeiros, pois quem sabe como era realmente P. T. Barnum dificilmente se convence da versão de Hugh Jackman e pode até se ofender com ela, como foi o caso de algumas critica.

Servindo, apesar da narrativa, um espetáculo contagiante, O Rei do Show entra fácil na lista dos melhores musicais recentes pelo que proporciona, visual e musicalmente. A critérios de entretenimento ele entrega um musical contemporâneo, para um público moderno, quase no nível de Moulin Rouge. Vale muito o ingresso (e pelo menos o stream da trilha).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que o Live-action de Mulan Não Será um Remake da Animação

Assim como parte do publico pela internet a fora, eu vinha incomodado com o fato do live-action de Mulan estar tomando uma forma bem diferente da animação clássica de 1998 lançada pela Disney. Afinal, desde Cinderella (2015), o estúdio vem conquistando o publico adulto através da nostalgia, com versão “em carne e osso” das historias com as quais crescemos, acrescentando no máximo uma camada a mais nas modernizadas versões com atores reais em cena. Foi esse incomodo com a mudança de estratégia que me fez ir pesquisar sobre, o que acabou me fazendo entender os motivos por trás dessa decisão e inclusive me converter, pois comercialmente é sim o caminho correto a se seguir.
O que diferencia Mulan de projetos como Cinderella, Mogli e A Bela e a Fera é uma questão bem objetiva: a China. E não, a Disney não está tomando decisões por causa da cultura ou das tradições chinesas, longe disso, o que está sendo levado em conta aqui é o que pode fazer o filme ter um retorno financeiro melhor, e ne…

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Venom

Desde seu renascimento em 2000 com o primeiro X-men, as adaptações de quadrinhos seguiram um longo percurso. Hoje é possível dividir essa era moderna dos super heróis em duas fases: Entre 2000 e 2008, onde o cinema estava brincando com gênero da maneira que sabia ou conseguia, e o pós 2008, onde Cavaleiro das Trevas e o surgimento do Marvel Studios com Homem de Ferro redefiniram o conceito e a forma de trabalhar esse conteúdo. Mais recentemente, títulos como Logan, Pantera Negra, Deadpool e Mulher-Maravilha abriram novos e mais refinados horizontes cinematográficos para o gênero. Eis que agora vem Venom proporcionar retrocesso.
Sim, pois essa é uma perfeita adaptação de quadrinhos de 2004 ou 2006. Desde o roteiro recheado a clichês e diálogos absurdamente expositivos a um vilão da profundidade de um pirex que só aparece para reforçar artificialmente como é mal, o filme parece se esforçar em repetir erros que eu achei que o gênero já tinha aprendido a não cometer. Inclusive, o banal …