Pular para o conteúdo principal

Review: Viva - A Vida é Uma Festa



A essa altura já podemos afirmar sem riscos que o estúdio Pixar da Disney é mais forte quando se dedica a historias originais. Nada contra as sequências feitas por ele até hoje, nenhuma delas rendeu um filme que possa ser chamado de ruim e inclusive eles já criaram uma das melhores trilogias do cinema (Toy Story). Mas é só eles lançarem um original que a magia que fez o nome desse estúdio vem a tona, como é o caso de Viva.

A primeira das muitas maravilhosas sobre essa animação é a imersão em uma cultura que quase nunca é abordada em Hollywood, alias, nem me lembro de ter visto a cultura do México trabalhada dessa forma. Essa é mais uma daquelas experiências Pixar onde você tem uma aula, eu inclusive conheci várias coisas que eu não sabia sobre o folclore e a cultura desse país. Eu não via essa aula acontecendo desde Procurando Nemo, o que é sempre uma excelente oportunidade e adiciona uma camada a mais de relevância ao que poderia ser só mais uma boa animação.

E justamente pela imersão cultural que eu recomendo muito que se procure depois do filme a trilha em espanhol, uma vez que o filme só chegou aqui dublado em português. Como em grandes filmes Disney a musica faz toda a diferença, e neste em especial ela é parte do enredo e foi toda pensada para representar a música mexicana, um trabalho bastante bonito.

Mas nada é mais bonito no filme que a historia e a mensagem passada, que foi construída, de novo, em cima dos costumes do México, mas com uma palavra universal: família. E digo que não tem nada mais bonito no filme pois ele foi escrito de forma muito inteligente, para que qualquer cultura que não se relaciona com o dia dos mortos e a morte da mesma forma que aquele país possa abraçar a proposta e entender como eles veem. Existe até uma critica social bem curiosa que acho importante destacar, quando saímos do mundo “classe média” dos mortos e vamos para a periferia, onde vivem os esquecidos.

Juntando isso a personagens olhudos e carismáticos que só a Disney sabe fazer e visuais incríveis e inventivos para criar o mundo dos vivos e dos mortos, o que fizeram aqui foi uma obra-prima moderna, um daqueles clássicos instantâneos que tem significado, discute e encanta. Viva é o que se espera que toda animação boa de verdade seja. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Pantera Negra

Antes de começar nossa conversa, gostaria de ressaltar que aqui discutirei apenas o filme enquanto produção. Existe uma forte e IMPORTANTÍSSIMA discussão cultural e social que é parte indispensável do longa, porém eu não faço parte dessa demografia, posso fazer uma ideia, mas não conheço essa importância, essa vivencia, então posteriormente pretendo convidar algum representante da comunidade negra para escrever sobre essa parte aqui.
Por hora, vamos discutir o filme, e que filme! Apesar de grande fã do Marvel Studios e defensor do reconhecimento de sua liderança no gênero de super-heróis, já venho a algum tempo criticando a falta de seriedade e o quê formulatico de seu universo, constantemente contendo suas produções em tom e não os permitindo “engrossar” a conversa. Pois finalmente o estúdio se permite ultrapassar esse limite com Pantera Negra.
Esse é sem duvidas um filme de super-heróis, porém ele é mais que isso. Aqui se fala sobre tradição, cultura, crença e especialmente se que…

Review: Mãe!

Se tratando de um filme tão diferente quanto Mãe!, não é estranho que esse vá ser um review diferente. Neste review em especial eu vou falar o que achei do filme e o que entendi dele, por essa razão já darei um aviso: se você não assistiu ao filme ainda, pare por aqui e volte apenas quando tiver assistido. Digo isso porque o filme é pura metáfora e simbologia, deixando passível a diversas interpretações e a melhor maneira de descobrir a sua é ir ao cinema sem influências.
Ainda aqui? Ok, vamos lá. Eu estranhei muito quando, ao fim da sessão, ouvi alguém dizer algumas filas acima de mim: “- Não entendi nada”. Vivemos em uma sociedade de grande maioria religiosa ou de pelo menos criação religiosa e onde a Bíblia Sagrada é o livro mais vendido do mundo, sendo assim, como é possível que as pessoas tenham dificuldade em entender uma analogia a ela quando veem? Pois pra mim essa foi a interpretação primaria de Mãe!, uma grande releitura da Bíblia, desde Gênesis até o Apocalipse, em uma ve…