Pular para o conteúdo principal

Review: Me Chame Pelo Seu Nome


Eu concordo que a premissa de um romance homossexual já teria seus pontos comigo só pelo tema. Sem duvidas, é mais fácil para mim me relacionar com a história, com os personagens, mas isso não muda o fato de que se fosse um filme mal feito, ou mal atuado, esse “crédito” não seria suficiente. Pois para a minha sorte (e da minha comunidade que aqui se vê por um raro momento representada) esse Me Chame Pelo Seu Nome é lindo e antes de tudo, a critérios de cinema.

A primeira coisa que me saltou aos olhos durante a sessão foi o quão visualmente elegante o longa é desde o primeiro frame. O filme tem ar de clássico e isso se deve em parte pelas locações belissimas na Itália, mas também pela forma como foi filmado, e o diretor de fotografia Sayombhu Mukdeeprom me pareceu explorar tanto a imagem mais cinematográfica que se tem do país, quanto a mais realista. Eu me senti sempre passeando entre o turistar e assistir filme durante toda a exibição. Outro ponto visual forte do filme está na ambientação e no figurino, que te levam para um anos 1980 menos caricato do que é costumeiro em produções que se passam na época, parecendo mais um antigo álbum de família.

A critérios de história, quando você deixa de lado as ironias e se permite levar pela magia do cinema (eu mesmo brinquei sobre como a vida sexual do gay branco, rico e europeu começa diferente da nossa no meu twitter), é um romance bastante bonito e trabalhado de forma bem interessante. Por mais clichê que possa ser o “primeiro eles se odiaram”, dar tempo até que os dois aconteçam foi inteligente justamente por terem aderido a urgência dos dois quando finalmente se descobrem, e também ao drama do arrependimento a despeito do tempo perdido. A abordagem da relação da família de Elio com a situação, que é tão sutil e termina tão profunda, também é outro ponto altíssimo do que contam aqui.  

A critérios de atuações a indicação ao Oscar foi muito acertada. É de Timothée Chalamet o crédito emocional do filme, com uma performance convincente de uma juventude protegida, mas que reflete a condição intelectual e social de sua criação, o que claro tem toda uma contribuição do roteiro, porém é concretizado na performance. E não é que Armie Hammer tenha feito uma performance ruim, longe disso, mas a intenção do personagem é ser o objetivo de sedução, o galã, e ele entrega com personalidade, porém não é um trabalho exatamente inovador ou impressionante.

O que Me chame pelo seu nome proporciona ao fim da sessão é um cinema elegante em diversos aspectos, com uma história de amor bonita eu que começa e acaba com as histórias de amor menos floreadas tendem a começar, com os corações que parte pelo caminho e com um objetivo cumprido de fazer de uma relação homossexual algo tradicional numa representação cinematográfica. Vale muito o ingresso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que o Live-action de Mulan Não Será um Remake da Animação

Assim como parte do publico pela internet a fora, eu vinha incomodado com o fato do live-action de Mulan estar tomando uma forma bem diferente da animação clássica de 1998 lançada pela Disney. Afinal, desde Cinderella (2015), o estúdio vem conquistando o publico adulto através da nostalgia, com versão “em carne e osso” das historias com as quais crescemos, acrescentando no máximo uma camada a mais nas modernizadas versões com atores reais em cena. Foi esse incomodo com a mudança de estratégia que me fez ir pesquisar sobre, o que acabou me fazendo entender os motivos por trás dessa decisão e inclusive me converter, pois comercialmente é sim o caminho correto a se seguir.
O que diferencia Mulan de projetos como Cinderella, Mogli e A Bela e a Fera é uma questão bem objetiva: a China. E não, a Disney não está tomando decisões por causa da cultura ou das tradições chinesas, longe disso, o que está sendo levado em conta aqui é o que pode fazer o filme ter um retorno financeiro melhor, e ne…

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Venom

Desde seu renascimento em 2000 com o primeiro X-men, as adaptações de quadrinhos seguiram um longo percurso. Hoje é possível dividir essa era moderna dos super heróis em duas fases: Entre 2000 e 2008, onde o cinema estava brincando com gênero da maneira que sabia ou conseguia, e o pós 2008, onde Cavaleiro das Trevas e o surgimento do Marvel Studios com Homem de Ferro redefiniram o conceito e a forma de trabalhar esse conteúdo. Mais recentemente, títulos como Logan, Pantera Negra, Deadpool e Mulher-Maravilha abriram novos e mais refinados horizontes cinematográficos para o gênero. Eis que agora vem Venom proporcionar retrocesso.
Sim, pois essa é uma perfeita adaptação de quadrinhos de 2004 ou 2006. Desde o roteiro recheado a clichês e diálogos absurdamente expositivos a um vilão da profundidade de um pirex que só aparece para reforçar artificialmente como é mal, o filme parece se esforçar em repetir erros que eu achei que o gênero já tinha aprendido a não cometer. Inclusive, o banal …