Pular para o conteúdo principal

Review: Me Chame Pelo Seu Nome


Eu concordo que a premissa de um romance homossexual já teria seus pontos comigo só pelo tema. Sem duvidas, é mais fácil para mim me relacionar com a história, com os personagens, mas isso não muda o fato de que se fosse um filme mal feito, ou mal atuado, esse “crédito” não seria suficiente. Pois para a minha sorte (e da minha comunidade que aqui se vê por um raro momento representada) esse Me Chame Pelo Seu Nome é lindo e antes de tudo, a critérios de cinema.

A primeira coisa que me saltou aos olhos durante a sessão foi o quão visualmente elegante o longa é desde o primeiro frame. O filme tem ar de clássico e isso se deve em parte pelas locações belissimas na Itália, mas também pela forma como foi filmado, e o diretor de fotografia Sayombhu Mukdeeprom me pareceu explorar tanto a imagem mais cinematográfica que se tem do país, quanto a mais realista. Eu me senti sempre passeando entre o turistar e assistir filme durante toda a exibição. Outro ponto visual forte do filme está na ambientação e no figurino, que te levam para um anos 1980 menos caricato do que é costumeiro em produções que se passam na época, parecendo mais um antigo álbum de família.

A critérios de história, quando você deixa de lado as ironias e se permite levar pela magia do cinema (eu mesmo brinquei sobre como a vida sexual do gay branco, rico e europeu começa diferente da nossa no meu twitter), é um romance bastante bonito e trabalhado de forma bem interessante. Por mais clichê que possa ser o “primeiro eles se odiaram”, dar tempo até que os dois aconteçam foi inteligente justamente por terem aderido a urgência dos dois quando finalmente se descobrem, e também ao drama do arrependimento a despeito do tempo perdido. A abordagem da relação da família de Elio com a situação, que é tão sutil e termina tão profunda, também é outro ponto altíssimo do que contam aqui.  

A critérios de atuações a indicação ao Oscar foi muito acertada. É de Timothée Chalamet o crédito emocional do filme, com uma performance convincente de uma juventude protegida, mas que reflete a condição intelectual e social de sua criação, o que claro tem toda uma contribuição do roteiro, porém é concretizado na performance. E não é que Armie Hammer tenha feito uma performance ruim, longe disso, mas a intenção do personagem é ser o objetivo de sedução, o galã, e ele entrega com personalidade, porém não é um trabalho exatamente inovador ou impressionante.

O que Me chame pelo seu nome proporciona ao fim da sessão é um cinema elegante em diversos aspectos, com uma história de amor bonita eu que começa e acaba com as histórias de amor menos floreadas tendem a começar, com os corações que parte pelo caminho e com um objetivo cumprido de fazer de uma relação homossexual algo tradicional numa representação cinematográfica. Vale muito o ingresso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Review: Mãe!

Se tratando de um filme tão diferente quanto Mãe!, não é estranho que esse vá ser um review diferente. Neste review em especial eu vou falar o que achei do filme e o que entendi dele, por essa razão já darei um aviso: se você não assistiu ao filme ainda, pare por aqui e volte apenas quando tiver assistido. Digo isso porque o filme é pura metáfora e simbologia, deixando passível a diversas interpretações e a melhor maneira de descobrir a sua é ir ao cinema sem influências.
Ainda aqui? Ok, vamos lá. Eu estranhei muito quando, ao fim da sessão, ouvi alguém dizer algumas filas acima de mim: “- Não entendi nada”. Vivemos em uma sociedade de grande maioria religiosa ou de pelo menos criação religiosa e onde a Bíblia Sagrada é o livro mais vendido do mundo, sendo assim, como é possível que as pessoas tenham dificuldade em entender uma analogia a ela quando veem? Pois pra mim essa foi a interpretação primaria de Mãe!, uma grande releitura da Bíblia, desde Gênesis até o Apocalipse, em uma ve…

Ranking: Os filmes de Super-Heróis de 2017!

Antes de começar essa lista preciso destacar algo importante: não tivemos nenhum filme ruim do
gênero de super-heróis esse ano! Importantíssimo pois mostra o crescimento do segmento em
Hollywood e a preocupação com a qual estúdios tem o tratado, além de atestar contra a suposta
fadiga que vem sendo profetizada por anos. Nesse ritmo ela vai demorar a acontecer. Sem mais
delongas, vamos ao ranking dos meus favoritos.

1 - Logan Sem exagero, Logan é o mais próximo que o gênero já chegou de fazer um filme arte. Logan é poético, é sobre as relações e os demônios pessoais de um herói que já viveu demais, além de pela primeira vez tocar num ponto onde todos chegamos: a velhice, suas limitações, o fim da vida. As atuações são intensas, as decisões são corajosas e somada a versão preto e branco, esse é um novo clássico. Logan não é só um ótimo filme de gênero, é um ótimo filme e ponto.



2 - Mulher-Maravilha Foram 75 anos de espera, mas a maior super-heroína de todas finalmente ganhou seu primeiro film…

Por que "Mulher-Maravilha" é um Filme Importante

Eu tenho sido um grande entusiasta do filme da Mulher-Maravilha nas minhas redes sociais, e tenho aproveitado toda oportunidade para divulgar algo que sai sobre ele no espacinho do meu pequeno blog. Tenho mesmo! Com isso outro dia me perguntaram: “Mas como você sabe que o filme vai ser bom?” e a resposta é bem simples, eu não sei! Na verdade, com a estreia se aproximando eu tenho ficado cada vez mais tenso pois é a minha heroína favorita chegando aos cinemas, eu quero muito que venha aí um filme excelente e eu não tenho ideia se ele será. Mas existe uma certeza que eu tenho e é nela que se baseia toda essa minha promoção do filme, a de que ele importantíssimo!  
Por isso resolvi fazer esse texto faltando cerca de 9 dias para a estreia, para explicar um pouco o que faz dele mais que só outro filme de super heróis dentre os vários que temos todo ano e porque é tão importante que ele se saia bem. Talvez você conheça muitos dos motivos a seguir, talvez conheça, mas não tenha os considerado…