Pular para o conteúdo principal

Ranking: Os Indicados a Melhor Filme no Oscar 2018



Com um pouco de dedicação (e estreias não adiadas aqui no Brasil) eu consegui, pela primeira vez em um bom tempo, assistir a todos os indicados a categoria Melhor Filme no Oscar 2018. Justamente por estar dedicado a os assistir ainda não fiz o review de todos eles, os que já tiverem deixarei como link, porém em aquecimento a cerimônia, eis o meu ranking dos indicados, indo do melhor ao pior:

Dirigido por: Guilhermo Del Toro
Roteiro: Guilhermo Del Toro & Vanessa Taylor

#2 – Dunkirk
Dirigido por: Christopher Nolan
Roteiro: Christopher Nolan

#3 – Corra!
Dirigido por: Jordan Pelee
Roteiro: Jordan Pelee

Dirigido por: Luca Guadagnino
Roteiro: James Ivory

#5 – Três Anuncios para Um Crime
Dirigido por: Martin McDonagh
Roteiro: Martin McDonagh

#6 – Lady Bird
Dirigido por: Greta Gerwig
Roteiro: Greta Gerwig

#7 – O Destino de Uma Nação
Dirigido por: Joe Wright
Roteiro: Anthony McCarten

#8 – The Post
Dirigido por: Steven Spielberg
Roteiro: Liz Hannah & Josh Singer

#9 – Trama Fantasma
Dirigido por: Paul Thomas Anderson
Roteiro: Paul Thomas Anderson

Extra: Quem merecia ter entrado!

Além de realmente não ter gostado da nona posição, eu ainda acho que esse ano merecia ser o primeiro a bater o numero de dez indicações a melhor filme. Pois eis quem eu indicaria ao décimo espaço, ou no lugar de Trama Fantasma:

I, Tonya:
Divertido, atrevido e de altíssima qualidade, tanto que está indicado em várias outras categorias, merecia muito estar no prêmio principal.

Primeiro “filme arte” do gênero de super-herois, era o candidato perfeito para a prometida renovação na academia, que pretendia estar mais abertas a blockbusters. Entrou em uma categoria principal com a de Roteiro Adaptado, porém acabou injustiçado na Melhor Filme e Ator Coadjuvante, onde também merecia entrar.

Animações acabam ficando restritas a categoria e perdem a chance de serem enaltecidas como filme no geral, e o trabalho incrível de representatividade cultural de Viva merecia muito quebrar essa barreira. É um excelente filme fora animação.


Essa franquia no geral é muito injustiçada e o avanço tecnológico que ela traz ao cinema merecia reconhecimento. Tão injusto quanto é deixar Andy Serkins de fora pelo inovador trabalho de atuação, é não prestigiar o filme como um todo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Pantera Negra

Antes de começar nossa conversa, gostaria de ressaltar que aqui discutirei apenas o filme enquanto produção. Existe uma forte e IMPORTANTÍSSIMA discussão cultural e social que é parte indispensável do longa, porém eu não faço parte dessa demografia, posso fazer uma ideia, mas não conheço essa importância, essa vivencia, então posteriormente pretendo convidar algum representante da comunidade negra para escrever sobre essa parte aqui.
Por hora, vamos discutir o filme, e que filme! Apesar de grande fã do Marvel Studios e defensor do reconhecimento de sua liderança no gênero de super-heróis, já venho a algum tempo criticando a falta de seriedade e o quê formulatico de seu universo, constantemente contendo suas produções em tom e não os permitindo “engrossar” a conversa. Pois finalmente o estúdio se permite ultrapassar esse limite com Pantera Negra.
Esse é sem duvidas um filme de super-heróis, porém ele é mais que isso. Aqui se fala sobre tradição, cultura, crença e especialmente se que…

Review: Mãe!

Se tratando de um filme tão diferente quanto Mãe!, não é estranho que esse vá ser um review diferente. Neste review em especial eu vou falar o que achei do filme e o que entendi dele, por essa razão já darei um aviso: se você não assistiu ao filme ainda, pare por aqui e volte apenas quando tiver assistido. Digo isso porque o filme é pura metáfora e simbologia, deixando passível a diversas interpretações e a melhor maneira de descobrir a sua é ir ao cinema sem influências.
Ainda aqui? Ok, vamos lá. Eu estranhei muito quando, ao fim da sessão, ouvi alguém dizer algumas filas acima de mim: “- Não entendi nada”. Vivemos em uma sociedade de grande maioria religiosa ou de pelo menos criação religiosa e onde a Bíblia Sagrada é o livro mais vendido do mundo, sendo assim, como é possível que as pessoas tenham dificuldade em entender uma analogia a ela quando veem? Pois pra mim essa foi a interpretação primaria de Mãe!, uma grande releitura da Bíblia, desde Gênesis até o Apocalipse, em uma ve…