Pular para o conteúdo principal

Review: A Teoria de Tudo


Escrevi esse review na antiga versão do blog quando A Teoria de Tudo foi lançado nos cinemas. Em homenagem ao lendário Stephen Hawking, que nos deixou na noite de ontem, resolvi resgatar o texto. Descanse em paz, Stephen!
Adaptando o livro biográfico de Jane Wilde sobre seu relacionamento com o renomado físico Stephen Hawking, acompanhamos no filme toda a trajetória do casal, desde o primeiro encontro na faculdade, até o fim da relação matrimonial e a extensão a relação de amizade. Todo desenvolvimento de narrativa é composto para tratar esse como um longa clássico, ele se desenrola com elegância, suas viradas de história não são brutas (talvez a primeira seja), e ele segue uma linha de tom único, mas não menos interessante.
E apesar da beleza do filme, que trabalha a época com cuidado e transita entre um tom pastel a cores opacas numa linha do tempo bem sutil, nada é mais impressionante que a atuação do protagonista.  Eddie Redmayne compõe seu Stephen com maestria, e o trabalho de caracterização o leva a status de perfeição na interpretação do físico, que tal como o personagem consegue ser complexo e interessante mesmo com a delimitação motora. Vejo poucas possibilidades dele perder a estatueta.
Já Felicity Jones, mesmo aclamada pela critica e indicada ao prêmio, de alguma forma deixou a desejar pra mim. Talvez porque eu esperava que o filme fosse narrado pelo ponto de vista dela já que vem do livro da mulher por ela interpretada, ou talvez porque eu esperava que sua Jane fosse mais impactante, fiquei com um gosto de “esperava mais”. Entendo também que essas responsabilidades são do roteiro, e se é isso que ele pediu ela o fez de forma competente, mas minha expectativa com a personagem me traiu.
Com tudo que vi da corrida pelo Oscar desse ano até então, Teoria de Tudo é certamente o mais clássico e elegante deles. O filme é sério, trata de uma vida superação, de conflito de ambos os lados, mas faz questão de relatar tudo sem urgência, ou emergência, e mesmo tão grave é até muito doce. Se esse for um ano da academia de cinema sendo tradicional, já temos um grande campeão e será merecidamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Review: Pantera Negra

Antes de começar nossa conversa, gostaria de ressaltar que aqui discutirei apenas o filme enquanto produção. Existe uma forte e IMPORTANTÍSSIMA discussão cultural e social que é parte indispensável do longa, porém eu não faço parte dessa demografia, posso fazer uma ideia, mas não conheço essa importância, essa vivencia, então posteriormente pretendo convidar algum representante da comunidade negra para escrever sobre essa parte aqui.
Por hora, vamos discutir o filme, e que filme! Apesar de grande fã do Marvel Studios e defensor do reconhecimento de sua liderança no gênero de super-heróis, já venho a algum tempo criticando a falta de seriedade e o quê formulatico de seu universo, constantemente contendo suas produções em tom e não os permitindo “engrossar” a conversa. Pois finalmente o estúdio se permite ultrapassar esse limite com Pantera Negra.
Esse é sem duvidas um filme de super-heróis, porém ele é mais que isso. Aqui se fala sobre tradição, cultura, crença e especialmente se que…

Review: Mãe!

Se tratando de um filme tão diferente quanto Mãe!, não é estranho que esse vá ser um review diferente. Neste review em especial eu vou falar o que achei do filme e o que entendi dele, por essa razão já darei um aviso: se você não assistiu ao filme ainda, pare por aqui e volte apenas quando tiver assistido. Digo isso porque o filme é pura metáfora e simbologia, deixando passível a diversas interpretações e a melhor maneira de descobrir a sua é ir ao cinema sem influências.
Ainda aqui? Ok, vamos lá. Eu estranhei muito quando, ao fim da sessão, ouvi alguém dizer algumas filas acima de mim: “- Não entendi nada”. Vivemos em uma sociedade de grande maioria religiosa ou de pelo menos criação religiosa e onde a Bíblia Sagrada é o livro mais vendido do mundo, sendo assim, como é possível que as pessoas tenham dificuldade em entender uma analogia a ela quando veem? Pois pra mim essa foi a interpretação primaria de Mãe!, uma grande releitura da Bíblia, desde Gênesis até o Apocalipse, em uma ve…

Review: Tomb Raider - A Origem

Adaptação de vídeo-game é talvez o único gênero que nunca conseguiu verdadeiramente emplacar no cinema, pois até hoje não tivemos um único filme que conseguisse ser abraçado por critica e publico ao ponto de alcançar os níveis de sucesso de adaptações literárias ou filmes de super-heróis. A barra para esse segmento é tão baixa que certamente o seu favorito é um guilty plesure, tal como meu favorito até então admitidamente não é um bom filme. Curiosamente, o melhor filme do gênero para mim e para muitos é justamente um Tomb Raider (Lara Croft: Tomb Raider – A Origem da Vida, 2003) e que esse reboot, apesar de não elevar a categoria como ela precisava, consegue superar.
Mais de oitenta por cento do acerto dessa versão recai sobre os ombros de sua protagonista. Eu adoro a versão de Angelina Jolie da personagem, ela certamente representa a Lara Croft clássica e é certamente o que o publico queria no inicio dos anos 2000 (não atoa é até hoje a maior bilheteria do gênero). Porém, a versão…