Pular para o conteúdo principal

Review: Tomb Raider - A Origem




Adaptação de vídeo-game é talvez o único gênero que nunca conseguiu verdadeiramente emplacar no cinema, pois até hoje não tivemos um único filme que conseguisse ser abraçado por critica e publico ao ponto de alcançar os níveis de sucesso de adaptações literárias ou filmes de super-heróis. A barra para esse segmento é tão baixa que certamente o seu favorito é um guilty plesure, tal como meu favorito até então admitidamente não é um bom filme. Curiosamente, o melhor filme do gênero para mim e para muitos é justamente um Tomb Raider (Lara Croft: Tomb Raider – A Origem da Vida, 2003) e que esse reboot, apesar de não elevar a categoria como ela precisava, consegue superar.

Mais de oitenta por cento do acerto dessa versão recai sobre os ombros de sua protagonista. Eu adoro a versão de Angelina Jolie da personagem, ela certamente representa a Lara Croft clássica e é certamente o que o publico queria no inicio dos anos 2000 (não atoa é até hoje a maior bilheteria do gênero). Porém, a versão de Alicia Vikander é a heroína que os dias de hoje precisam. Ela é antes de tudo realista, física e emocionalmente, uma garota que você poderia conhecer na academia, em uma aula, no dia a dia. Extremamente carismática e fácil de relacionar, a moça é empática o suficiente para que você não só se simpatize, mas também se importe com ela, e é isso que um filme precisa para que você queira acompanha-lo até o fim. É a protagonista perfeita. Inclusive acho importante destacar o preparo físico da atriz para o papel, exibindo uma forma que justifica o que a personagem consegue fazer durante a aventura.

Infelizmente o filme não caminha no mesmo nível da performance de Vikander. Não que ele seja um filme ruim, seria impossível ser com uma personagem tão interessante a frente, porém ele não consegue ultrapassar o limite do “ok”. O maior responsável por isso é sem duvidas o roteiro, que é bastante preguiçoso nos diálogos e não consegue seguir um caminho tão firme no desenvolvimento da historia quanto faz na construção da personagem. Incomodou particularmente também um erro que acredito ser do diretor de fotografia e que vi reclamações por parte da critica, que é o aspecto “seco” que o filme tem, meio sem vida, que aparece mais precisamente quando Lara chega a ilha. Talvez uma paleta de cores menos apoiada no marrom tivesse deixado o filme mais bonito visualmente.

Porém ainda existem outros vinte por cento de acerto que ajudam Vikander a sustentar o filme, e eles estão na habilidade do diretor para cenas de ação. Desde a criativa bem referenciada corrida de bicicleta pelas ruas de Londres numa caça a raposa, até sequências como a do avião (essa baseada diretamente no reboot da franquia nos videogames), todas são muito inventivas e inclusive trazem um quê de Indiana Jones para o filme. As armadilhas e puzzles na tumba são especialmente curiosos e emocionantes.

No fim, mesmo que se beneficiando da baixa expectativa do gênero, esse novo Tomb Raider acaba valendo a pena por conseguir não terminar com o saldo de entretenimento no negativo. Minha torcida, pelo meu carinho pela franquia e por tudo que este reboot conseguiu construir de bom, é que ele fature o suficiente para ter uma sequência com o production value que essa nova Lara merece.  Mas desde já, vale a pena assistir Alicia Vikander como Lara Croft em Tomb Raider.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que o Live-action de Mulan Não Será um Remake da Animação

Assim como parte do publico pela internet a fora, eu vinha incomodado com o fato do live-action de Mulan estar tomando uma forma bem diferente da animação clássica de 1998 lançada pela Disney. Afinal, desde Cinderella (2015), o estúdio vem conquistando o publico adulto através da nostalgia, com versão “em carne e osso” das historias com as quais crescemos, acrescentando no máximo uma camada a mais nas modernizadas versões com atores reais em cena. Foi esse incomodo com a mudança de estratégia que me fez ir pesquisar sobre, o que acabou me fazendo entender os motivos por trás dessa decisão e inclusive me converter, pois comercialmente é sim o caminho correto a se seguir.
O que diferencia Mulan de projetos como Cinderella, Mogli e A Bela e a Fera é uma questão bem objetiva: a China. E não, a Disney não está tomando decisões por causa da cultura ou das tradições chinesas, longe disso, o que está sendo levado em conta aqui é o que pode fazer o filme ter um retorno financeiro melhor, e ne…

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Venom

Desde seu renascimento em 2000 com o primeiro X-men, as adaptações de quadrinhos seguiram um longo percurso. Hoje é possível dividir essa era moderna dos super heróis em duas fases: Entre 2000 e 2008, onde o cinema estava brincando com gênero da maneira que sabia ou conseguia, e o pós 2008, onde Cavaleiro das Trevas e o surgimento do Marvel Studios com Homem de Ferro redefiniram o conceito e a forma de trabalhar esse conteúdo. Mais recentemente, títulos como Logan, Pantera Negra, Deadpool e Mulher-Maravilha abriram novos e mais refinados horizontes cinematográficos para o gênero. Eis que agora vem Venom proporcionar retrocesso.
Sim, pois essa é uma perfeita adaptação de quadrinhos de 2004 ou 2006. Desde o roteiro recheado a clichês e diálogos absurdamente expositivos a um vilão da profundidade de um pirex que só aparece para reforçar artificialmente como é mal, o filme parece se esforçar em repetir erros que eu achei que o gênero já tinha aprendido a não cometer. Inclusive, o banal …