Pular para o conteúdo principal

Review: Tomb Raider - A Origem




Adaptação de vídeo-game é talvez o único gênero que nunca conseguiu verdadeiramente emplacar no cinema, pois até hoje não tivemos um único filme que conseguisse ser abraçado por critica e publico ao ponto de alcançar os níveis de sucesso de adaptações literárias ou filmes de super-heróis. A barra para esse segmento é tão baixa que certamente o seu favorito é um guilty plesure, tal como meu favorito até então admitidamente não é um bom filme. Curiosamente, o melhor filme do gênero para mim e para muitos é justamente um Tomb Raider (Lara Croft: Tomb Raider – A Origem da Vida, 2003) e que esse reboot, apesar de não elevar a categoria como ela precisava, consegue superar.

Mais de oitenta por cento do acerto dessa versão recai sobre os ombros de sua protagonista. Eu adoro a versão de Angelina Jolie da personagem, ela certamente representa a Lara Croft clássica e é certamente o que o publico queria no inicio dos anos 2000 (não atoa é até hoje a maior bilheteria do gênero). Porém, a versão de Alicia Vikander é a heroína que os dias de hoje precisam. Ela é antes de tudo realista, física e emocionalmente, uma garota que você poderia conhecer na academia, em uma aula, no dia a dia. Extremamente carismática e fácil de relacionar, a moça é empática o suficiente para que você não só se simpatize, mas também se importe com ela, e é isso que um filme precisa para que você queira acompanha-lo até o fim. É a protagonista perfeita. Inclusive acho importante destacar o preparo físico da atriz para o papel, exibindo uma forma que justifica o que a personagem consegue fazer durante a aventura.

Infelizmente o filme não caminha no mesmo nível da performance de Vikander. Não que ele seja um filme ruim, seria impossível ser com uma personagem tão interessante a frente, porém ele não consegue ultrapassar o limite do “ok”. O maior responsável por isso é sem duvidas o roteiro, que é bastante preguiçoso nos diálogos e não consegue seguir um caminho tão firme no desenvolvimento da historia quanto faz na construção da personagem. Incomodou particularmente também um erro que acredito ser do diretor de fotografia e que vi reclamações por parte da critica, que é o aspecto “seco” que o filme tem, meio sem vida, que aparece mais precisamente quando Lara chega a ilha. Talvez uma paleta de cores menos apoiada no marrom tivesse deixado o filme mais bonito visualmente.

Porém ainda existem outros vinte por cento de acerto que ajudam Vikander a sustentar o filme, e eles estão na habilidade do diretor para cenas de ação. Desde a criativa bem referenciada corrida de bicicleta pelas ruas de Londres numa caça a raposa, até sequências como a do avião (essa baseada diretamente no reboot da franquia nos videogames), todas são muito inventivas e inclusive trazem um quê de Indiana Jones para o filme. As armadilhas e puzzles na tumba são especialmente curiosos e emocionantes.

No fim, mesmo que se beneficiando da baixa expectativa do gênero, esse novo Tomb Raider acaba valendo a pena por conseguir não terminar com o saldo de entretenimento no negativo. Minha torcida, pelo meu carinho pela franquia e por tudo que este reboot conseguiu construir de bom, é que ele fature o suficiente para ter uma sequência com o production value que essa nova Lara merece.  Mas desde já, vale a pena assistir Alicia Vikander como Lara Croft em Tomb Raider.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Pantera Negra

Antes de começar nossa conversa, gostaria de ressaltar que aqui discutirei apenas o filme enquanto produção. Existe uma forte e IMPORTANTÍSSIMA discussão cultural e social que é parte indispensável do longa, porém eu não faço parte dessa demografia, posso fazer uma ideia, mas não conheço essa importância, essa vivencia, então posteriormente pretendo convidar algum representante da comunidade negra para escrever sobre essa parte aqui.
Por hora, vamos discutir o filme, e que filme! Apesar de grande fã do Marvel Studios e defensor do reconhecimento de sua liderança no gênero de super-heróis, já venho a algum tempo criticando a falta de seriedade e o quê formulatico de seu universo, constantemente contendo suas produções em tom e não os permitindo “engrossar” a conversa. Pois finalmente o estúdio se permite ultrapassar esse limite com Pantera Negra.
Esse é sem duvidas um filme de super-heróis, porém ele é mais que isso. Aqui se fala sobre tradição, cultura, crença e especialmente se que…

Review: Mãe!

Se tratando de um filme tão diferente quanto Mãe!, não é estranho que esse vá ser um review diferente. Neste review em especial eu vou falar o que achei do filme e o que entendi dele, por essa razão já darei um aviso: se você não assistiu ao filme ainda, pare por aqui e volte apenas quando tiver assistido. Digo isso porque o filme é pura metáfora e simbologia, deixando passível a diversas interpretações e a melhor maneira de descobrir a sua é ir ao cinema sem influências.
Ainda aqui? Ok, vamos lá. Eu estranhei muito quando, ao fim da sessão, ouvi alguém dizer algumas filas acima de mim: “- Não entendi nada”. Vivemos em uma sociedade de grande maioria religiosa ou de pelo menos criação religiosa e onde a Bíblia Sagrada é o livro mais vendido do mundo, sendo assim, como é possível que as pessoas tenham dificuldade em entender uma analogia a ela quando veem? Pois pra mim essa foi a interpretação primaria de Mãe!, uma grande releitura da Bíblia, desde Gênesis até o Apocalipse, em uma ve…