Pular para o conteúdo principal

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita




Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!

Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzido na tela do cinema foi cumprida com muita competência e tomando decisões que transformam, mesmo que momentaneamente, o próprio Marvel Studios. Eu sempre fiz parte da parcela nerd mais cética quanto ao Marvel Cinematic Universe (MCU), mas minhas ressalvas sobre a coragem deles para ousar e serem mais ambiciosos estão suspensas até segunda ordem. Digo até segunda ordem pois fica bem claro que muitas dessas decisões serão desfeitas no próximo filme, mas isso é um problema para quando ele sair, por hora foi um senhor passo.

Ambição é a palavra chave para esse terceiro Os Vingadores. O estúdio ousou unir todas as franquias que lançou em um lugar só, ousou jogar com personagens amados individualmente e ousou ao entregar uma historia com acontecimentos e conclusões que não apareceram em nenhuma teoria de fã, em nenhuma expectativa, e só por isso o filme já merece muito crédito. E mesmo com tantos personagem para unir, nada no filme soa preguiçoso. Nada de batalhas em aeroporto para facilitar com um fundo branco, o que temos aqui são cenários carregadíssimos de informações, de cores, de funções, proporcionando palcos incríveis para performances na mesma altura (e que dispensam elogios, todo mundo aqui já pegou o papel pra si filmes antes).

Mas um acerto de personagem no filme merece destaque e parágrafo próprio: Thanos. O estúdio investiu pesado para que ele não fosse mais um monstro digital vazio com um trabalho muito bonito no design do personagem, que ganhou vida e complexidade com a atuação sentimental de Josh Brolin e o roteiro que lhe entregaram. Fazer o filme sobre Thanos passando pelos heróis com seu background, suas motivações e objetivos foi a melhor decisão. Já conhecemos e amamos os heróis, foi hora de conhecer e amar o vilão.

Não é como se o filme não tivesse seus defeitos também. A estratégia de dividir o gigantesco elenco em grupos faz sentido, porém nem o imbatível MCU conseguiu administrar isso sem que um grupo destoasse do outro, sem que um se sobressaísse ao outro. O humor do qual venho reclamando cada vez mais ao longo desses dezenove filmes me incomodou menos aqui, mas ainda assim por pelo menos dois momentos ultrapassou a barreira do desnecessário. Infelizmente o impacto emocional da ambição do filme acaba prejudicado por se tratar da franquia que se trata, com datas para a próxima aventura dos heróis em conjunto e em carreira solo, com elenco confirmado, o que deixa fácil perceber o que certamente não vai se sustentar. Mas nada disso é capaz de estragar uma aventura tão épica e tão única.

Com Guerra Infinita o Marvel Studios se desafia, se supera, avança mesmo que ainda preso a sua própria construção e entrega um tipo inédito de blockbuster, um tipo singular de experiência no cinema. Esse filme é eficaz em cravar a bandeira do que o MCU construiu até aqui e em deixar aquela sensação de que ele ainda tem muito a oferecer, além do conforto de ver, mesmo com ressalvas, que ele é capaz de se reinventar. Here for more tem years!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Review: Pantera Negra

Antes de começar nossa conversa, gostaria de ressaltar que aqui discutirei apenas o filme enquanto produção. Existe uma forte e IMPORTANTÍSSIMA discussão cultural e social que é parte indispensável do longa, porém eu não faço parte dessa demografia, posso fazer uma ideia, mas não conheço essa importância, essa vivencia, então posteriormente pretendo convidar algum representante da comunidade negra para escrever sobre essa parte aqui.
Por hora, vamos discutir o filme, e que filme! Apesar de grande fã do Marvel Studios e defensor do reconhecimento de sua liderança no gênero de super-heróis, já venho a algum tempo criticando a falta de seriedade e o quê formulatico de seu universo, constantemente contendo suas produções em tom e não os permitindo “engrossar” a conversa. Pois finalmente o estúdio se permite ultrapassar esse limite com Pantera Negra.
Esse é sem duvidas um filme de super-heróis, porém ele é mais que isso. Aqui se fala sobre tradição, cultura, crença e especialmente se que…

Review: Mãe!

Se tratando de um filme tão diferente quanto Mãe!, não é estranho que esse vá ser um review diferente. Neste review em especial eu vou falar o que achei do filme e o que entendi dele, por essa razão já darei um aviso: se você não assistiu ao filme ainda, pare por aqui e volte apenas quando tiver assistido. Digo isso porque o filme é pura metáfora e simbologia, deixando passível a diversas interpretações e a melhor maneira de descobrir a sua é ir ao cinema sem influências.
Ainda aqui? Ok, vamos lá. Eu estranhei muito quando, ao fim da sessão, ouvi alguém dizer algumas filas acima de mim: “- Não entendi nada”. Vivemos em uma sociedade de grande maioria religiosa ou de pelo menos criação religiosa e onde a Bíblia Sagrada é o livro mais vendido do mundo, sendo assim, como é possível que as pessoas tenham dificuldade em entender uma analogia a ela quando veem? Pois pra mim essa foi a interpretação primaria de Mãe!, uma grande releitura da Bíblia, desde Gênesis até o Apocalipse, em uma ve…