Pular para o conteúdo principal

Review: Han Solo - Uma História Star Wars




Eu nunca acreditei nessa conversa que rola na comunidade nerd de que “a base de fãs do material original precisa ser agradada”, até porque sempre defendi que você não paga um filme de milhões só com essa base de fãs, você precisa conversar com um público maior, etc. Porém a franquia “Star Wars” tem se mostrado capaz de mudar minha opinião, uma vez que foi a reação desses fãs de longa data que manchou a reputação do excelente Os Últimos Jedi e é a mesma virada de costas deles que feriu forte esse Han Solo financeiramente. Não que ele precisasse de ajuda para isso.

A maior verdade sobre esse filme é que ninguém pediu por ele. Seja um fã hardcore da franquia, seja um fã de cinema no geral, ninguém perguntou absolutamente nada sobre as origens do personagem vivido por Harrison Ford no filme original de George Lucas. E não é que você não possa fazer um filme só porque ninguém pediu por ele, mas todo filme precisa apresentar motivos para que você invista tempo e dinheiro nele, vá ver, e quando ninguém pediu por ele esses motivos deviam ser ainda mais consistentes. É isso que Solo não faz.

O mais curioso para mim ao fim da minha sessão foi perceber que Solo não é um filme ruim, é apenas um filme bege. Ele não ousa ou assume riscos, não inova, é um “playsafe” do inicio ao fim que acaba o deixando um mais do mesmo, o faz assistivel, mas não urgente. Não é o evento cinematográfico que o lançamento de um Star Wars costuma ser. Curiosamente os rumores são de que a produtora Katheen Kennedy demitiu os diretores originais do projeto por querer um filme mais tradicional, enquanto eles pretendiam fazer algo bem mais fora da casinha. Vendo o resultado final eu só posso discordar dessa decisão.

Mas quando eu disse que o filme não é ruim, é porque “Solo” traz bastante coisa boa consigo. As performances do elenco são todas muito competentes, o próprio protagonista Alden Ehrenreich, que foi tão questionado, consegue ser muito convincente e coerente com o personagem que já conhecemos, somado a uma necessária química excelente com o icônico Chewbacca. As batalhas épicas e a trilha sonora marcante se fazem presentes dando aquele sentimento de “Star Wars” ao longa e ele certamente conversa com o restante da franquia da qual faz parte. Porém nada disso é capaz de encobrir ou elevar uma historia morna e previsível.

No fim, o maior erro de Solo é não se justificar. Desde seu anúncio o sentimento era de que não precisávamos dele e isso se mantém depois da sessão. Talvez com uma proposta mais ousada, oferecendo algo novo a essa franquia ele talvez conseguisse passar por cima deste problema, se provando uma boa ideia. O problema é que ele é que ele não consegue.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que o Live-action de Mulan Não Será um Remake da Animação

Assim como parte do publico pela internet a fora, eu vinha incomodado com o fato do live-action de Mulan estar tomando uma forma bem diferente da animação clássica de 1998 lançada pela Disney. Afinal, desde Cinderella (2015), o estúdio vem conquistando o publico adulto através da nostalgia, com versão “em carne e osso” das historias com as quais crescemos, acrescentando no máximo uma camada a mais nas modernizadas versões com atores reais em cena. Foi esse incomodo com a mudança de estratégia que me fez ir pesquisar sobre, o que acabou me fazendo entender os motivos por trás dessa decisão e inclusive me converter, pois comercialmente é sim o caminho correto a se seguir.
O que diferencia Mulan de projetos como Cinderella, Mogli e A Bela e a Fera é uma questão bem objetiva: a China. E não, a Disney não está tomando decisões por causa da cultura ou das tradições chinesas, longe disso, o que está sendo levado em conta aqui é o que pode fazer o filme ter um retorno financeiro melhor, e ne…

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Venom

Desde seu renascimento em 2000 com o primeiro X-men, as adaptações de quadrinhos seguiram um longo percurso. Hoje é possível dividir essa era moderna dos super heróis em duas fases: Entre 2000 e 2008, onde o cinema estava brincando com gênero da maneira que sabia ou conseguia, e o pós 2008, onde Cavaleiro das Trevas e o surgimento do Marvel Studios com Homem de Ferro redefiniram o conceito e a forma de trabalhar esse conteúdo. Mais recentemente, títulos como Logan, Pantera Negra, Deadpool e Mulher-Maravilha abriram novos e mais refinados horizontes cinematográficos para o gênero. Eis que agora vem Venom proporcionar retrocesso.
Sim, pois essa é uma perfeita adaptação de quadrinhos de 2004 ou 2006. Desde o roteiro recheado a clichês e diálogos absurdamente expositivos a um vilão da profundidade de um pirex que só aparece para reforçar artificialmente como é mal, o filme parece se esforçar em repetir erros que eu achei que o gênero já tinha aprendido a não cometer. Inclusive, o banal …