Pular para o conteúdo principal

Review: Homem-Formiga e a Vespa




O primeiro filme do Homem-Formiga apresentava, tal como o poder do personagem, uma aventura em menor escala em relação ao resto do Marvel Cinematic Universe. O filme de assalto fortemente apoiado na comédia foi um respiro para a franquia macro da Marvel depois do segundo Os Vingadores e possivelmente de maneira proposital sua continuação vem logo após o maior evento já lançado pelo estúdio, exercendo essa mesma função. Para nossa sorte, aqui isso é feito com a mesma competência do antecessor.

Foi muito inteligente da parte do diretor Peyton Reed e do produtor Kevin Feige manterem essa franquia em especial sobre questões menores, o que combina com sua escala de filme e o diferencia do restante das produções lançadas pelo estúdio. Depois do épico Pantera Negra e do grande filme-evento Guerra Infinita, esse Homem-Formiga e a Vespa vem como um respiro necessário. É só uma pena que não tenham o mantido um filme tão isolado quanto o anterior, pois a dependência jogada na ligação com Capitão América – Guerra Civil, especialmente quando aquele arco já avançou para o que vimos no terceiro filme dos Vingadores, acabou me deixando um gosto de timing errado. Eu afirmaria com cem por cento de certeza que ele deveria ter sido lançado antes, se não fosse pela cena pós-créditos diretamente ligada aos eventos do ultimo e do próximo filme evento do MCU.

E por mais inteligente que a decisão de escala do filme tenha sido, em alguns momentos eu tive a impressão do filme estar sendo “básico demais”. Era como se o filme estivesse se esforçando para ser pequeno, e por mais que isso combine muito com o personagem sozinho, uma vez que você bate tanto no martelo dele fazer parte de um universo de eventos maiores, talvez um pouco mais de ousadia não teria matado ninguém.

Contudo, este está longe de ser um filme ruim. O longa é charmosíssimo e com um elenco extremamente carismático, capaz inclusive de suprir a falta de surpresas, uma vez que as principais cenas de ação já tinham sido entregues nos trailers. As relações de todo o núcleo principal são super convincentes, o que faz o filme ser mais sobre elas e emprega importância ao seu objetivo num todo: salvar uma pessoa. Paul Rudd está mais simpático que nunca e sua química com Evangeline Lily é natural. Falando nela, que excelente adição ao panteão de heróis do MCU! Além de funcionar muito bem com ele, sendo o oposto direto do Homem-Formiga em personalidade e estilo, ela é uma badass completa, mostrando que Hope estava pronta para assumir esse manto a vida toda.

E é assim, mantendo seu charme e sua menor escala que Homem-Formiga e a Vespa proporcionam uma experiência divertida e muito simpática. Poderia ter sido mais ousado, mas como aqui fazem um uso dos poderes do herói em um nível de criatividade que os quadrinhos jamais conseguiram, o saldo final é positivo. Vale o ingresso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que o Live-action de Mulan Não Será um Remake da Animação

Assim como parte do publico pela internet a fora, eu vinha incomodado com o fato do live-action de Mulan estar tomando uma forma bem diferente da animação clássica de 1998 lançada pela Disney. Afinal, desde Cinderella (2015), o estúdio vem conquistando o publico adulto através da nostalgia, com versão “em carne e osso” das historias com as quais crescemos, acrescentando no máximo uma camada a mais nas modernizadas versões com atores reais em cena. Foi esse incomodo com a mudança de estratégia que me fez ir pesquisar sobre, o que acabou me fazendo entender os motivos por trás dessa decisão e inclusive me converter, pois comercialmente é sim o caminho correto a se seguir.
O que diferencia Mulan de projetos como Cinderella, Mogli e A Bela e a Fera é uma questão bem objetiva: a China. E não, a Disney não está tomando decisões por causa da cultura ou das tradições chinesas, longe disso, o que está sendo levado em conta aqui é o que pode fazer o filme ter um retorno financeiro melhor, e ne…

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Pantera Negra

Antes de começar nossa conversa, gostaria de ressaltar que aqui discutirei apenas o filme enquanto produção. Existe uma forte e IMPORTANTÍSSIMA discussão cultural e social que é parte indispensável do longa, porém eu não faço parte dessa demografia, posso fazer uma ideia, mas não conheço essa importância, essa vivencia, então posteriormente pretendo convidar algum representante da comunidade negra para escrever sobre essa parte aqui.
Por hora, vamos discutir o filme, e que filme! Apesar de grande fã do Marvel Studios e defensor do reconhecimento de sua liderança no gênero de super-heróis, já venho a algum tempo criticando a falta de seriedade e o quê formulatico de seu universo, constantemente contendo suas produções em tom e não os permitindo “engrossar” a conversa. Pois finalmente o estúdio se permite ultrapassar esse limite com Pantera Negra.
Esse é sem duvidas um filme de super-heróis, porém ele é mais que isso. Aqui se fala sobre tradição, cultura, crença e especialmente se que…