Pular para o conteúdo principal

Review: Os Incríveis 2




Apesar dos vários sucessos comerciais, a Pixar vem deixando a desejar quando se trata de resgatar a magia de seus títulos originais na hora de fazer suas sequências. Salvo Toy Story, que para mim só cresceu a cada filme, o estúdio tem entregado longas de qualidade, porém sem o toque especial de seus antecessores. Para minha alegria, isso não acontece após os 14 anos de espera pelo retorno de Os Incríveis.

O que mais me impressionou nesse filme foi o quão direta ao anterior a sequência é, começando antes do fim do primeiro, tornando possível assistir aos dois como um grande único filme (salvo pela mudança de qualidade de animação, que é gritante, em especial nas cenas que refaz do primeiro). Essa acabou sendo uma decisão inteligente também, pois dado o longo tempo que separa o lançamento dos dois filmes, uma mudança de período dentro da historia talvez dificultasse a relação público-personagem, até porque parte do apelo do filme é nostálgico. Reencontra-los exatamente onde os deixamos tira todo o peso do tempo de espera.

Isso também permitiu ao filme se apoiar em um caminho narrativo bastante simples, mas extremamente eficaz se tratando de uma continuação, o da inversão de papeis. Até por isso é fácil encaixa-lo ao filme anterior como um grande e único filme, pois você conta uma historia que conversa muito com a anterior, fazendo apenas a mudança nas peças do tabuleiro. É claro que isso só funciona graças a versatilidade dos personagens criados por Brad Bird, que proporcionam pontos de vista e reações bem distintas sob situações similares, além do ar de novo ganhado pelas sub-tramas possíveis com os filhos por exemplo.

E apesar de tão ligado a uma historia de 14 anos atrás, o talento de Brad Bird também permitiu que ainda assim o filme abordasse temas super atuais sem perder o coração da época em que nasceu. Assim vemos a representatividade feminina e a manipulação midiática, dois dos principais tópicos sociais atualmente, sendo os principais assuntos trabalhados dentro da trama. Sobre o segundo inclusive é curioso ver a decisão interessante tomada no filme, de apresentar o trabalho de mídia bem e mal intencionado.

Mas antes de concluir eu precisava dedicar um parágrafo ao novo charme dessa franquia: Zezé! A ideia de trabalhar o bebê incrível a base não só do descobrimento de seus diversos poderes, mas também da sua exploração do mundo a sua volta, como na sensacional cena do guaxinim, deu ao filme um personagem novo e com uma infinidade de possibilidades. Vide como seus dois momentos chave, o já citado combate com o o guaxinim e a tal noite na casa da Tia Edna (que precisa virar um curta com urgência) são totalmente diferentes, mas igualmente sensacionais.

O que Os Incríveis 2 faz é o perfeito trabalho de sequência, resgatando tudo de melhor do seu original e reexplorando de forma inteligente, e mesmo que se repetindo, nunca deixando passar esse sentimento. Entrou fácil na minha lista de sequências favoritas junto com grandes filmes em live-action.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que o Live-action de Mulan Não Será um Remake da Animação

Assim como parte do publico pela internet a fora, eu vinha incomodado com o fato do live-action de Mulan estar tomando uma forma bem diferente da animação clássica de 1998 lançada pela Disney. Afinal, desde Cinderella (2015), o estúdio vem conquistando o publico adulto através da nostalgia, com versão “em carne e osso” das historias com as quais crescemos, acrescentando no máximo uma camada a mais nas modernizadas versões com atores reais em cena. Foi esse incomodo com a mudança de estratégia que me fez ir pesquisar sobre, o que acabou me fazendo entender os motivos por trás dessa decisão e inclusive me converter, pois comercialmente é sim o caminho correto a se seguir.
O que diferencia Mulan de projetos como Cinderella, Mogli e A Bela e a Fera é uma questão bem objetiva: a China. E não, a Disney não está tomando decisões por causa da cultura ou das tradições chinesas, longe disso, o que está sendo levado em conta aqui é o que pode fazer o filme ter um retorno financeiro melhor, e ne…

Review: Os Vingadores - Guerra Infinita

Dez anos se passaram desde que a Marvel Entertainment se recuperou da terrível crise financeira que enfrentou nos anos 1990, e através dos lucros alcançados com a venda dos direitos de seus principais títulos para estúdios de cinema decidiu caminhar com as próprias pernas por esse mercado, lançando o Marvel Studios. Dezenove filmes e uma absorção pelo gigantesco conglomerado Disney depois, o estúdio estreante mudou as regras do jogo, trouxe um conceito mais próximo do desenvolvimento de quadrinhos para o cinema e tomou a liderança do gênero, o que culmina no evento que é Guerra Infinita. E que evento!
Sim, porque acreditávamos ter presenciado um filme evento com o primeiro Os Vingadores, até mesmo com o segundo, mas se tínhamos, o conceito acabou de subir de nível com esse terceiro “assemble”. O que assisti ontem não foi um filme, foi uma experiência cinematográfica, foi algo inédito em escala, em conceito, em proporções! A promessa de um gigantesco crossover de quadrinhos reproduzid…

Review: Venom

Desde seu renascimento em 2000 com o primeiro X-men, as adaptações de quadrinhos seguiram um longo percurso. Hoje é possível dividir essa era moderna dos super heróis em duas fases: Entre 2000 e 2008, onde o cinema estava brincando com gênero da maneira que sabia ou conseguia, e o pós 2008, onde Cavaleiro das Trevas e o surgimento do Marvel Studios com Homem de Ferro redefiniram o conceito e a forma de trabalhar esse conteúdo. Mais recentemente, títulos como Logan, Pantera Negra, Deadpool e Mulher-Maravilha abriram novos e mais refinados horizontes cinematográficos para o gênero. Eis que agora vem Venom proporcionar retrocesso.
Sim, pois essa é uma perfeita adaptação de quadrinhos de 2004 ou 2006. Desde o roteiro recheado a clichês e diálogos absurdamente expositivos a um vilão da profundidade de um pirex que só aparece para reforçar artificialmente como é mal, o filme parece se esforçar em repetir erros que eu achei que o gênero já tinha aprendido a não cometer. Inclusive, o banal …