Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2018

Review: Nasce Uma Estrela

São inúmeras as historias atemporais no cinema. Elas surgem e ressurgem adequadas ao tempo corrente e são capazes de conversar com publico de novo e de novo, simplesmente por tratarem de temas humanos demais para não serem compreendidos. “Nasce uma Estrela” é um desses contos, talvez o mais moderno deles, e em sua quarta versão ele reforça essa estigma. Aclamados foram os anteriores, aclamado está sendo esse, um hype que confirmarei nesse review.
É claro, a historia só volta a funcionar por ter sido maravilhosamente adaptada e recontada. O primeiro crédito é do roteiro que Bradley Cooper construiu junto com Eric Roth e Will Fetters, onde conseguiram manter tudo de mais icônico, mas contextualizar uma cena social e comercial real e atual. Qualquer um que acompanhe música é capaz de ver essas carreiras acontecendo, tal como o romance é claro. A direção do filme também tem seu crédito, o dinamismo com o qual o filme se desenrola deixa imperceptível seu tamanho, e é um filme considerave…

Review: Venom

Desde seu renascimento em 2000 com o primeiro X-men, as adaptações de quadrinhos seguiram um longo percurso. Hoje é possível dividir essa era moderna dos super heróis em duas fases: Entre 2000 e 2008, onde o cinema estava brincando com gênero da maneira que sabia ou conseguia, e o pós 2008, onde Cavaleiro das Trevas e o surgimento do Marvel Studios com Homem de Ferro redefiniram o conceito e a forma de trabalhar esse conteúdo. Mais recentemente, títulos como Logan, Pantera Negra, Deadpool e Mulher-Maravilha abriram novos e mais refinados horizontes cinematográficos para o gênero. Eis que agora vem Venom proporcionar retrocesso.
Sim, pois essa é uma perfeita adaptação de quadrinhos de 2004 ou 2006. Desde o roteiro recheado a clichês e diálogos absurdamente expositivos a um vilão da profundidade de um pirex que só aparece para reforçar artificialmente como é mal, o filme parece se esforçar em repetir erros que eu achei que o gênero já tinha aprendido a não cometer. Inclusive, o banal …