Pular para o conteúdo principal

Fox Agora é Disney: Isso Não é Uma Boa Notícia



Eu tenho sido veemente contra toda a situação da compra da maior parte do conglomerado Fox pela Disney desde que o acordo foi anunciado. Enquanto a comunidade nerd comemorava a possível volta dos X-men e do Quarteto Fantástico as mãos da Marvel, finalmente ingressando ao bem sucedido Marvel Studios, eu venho tentando debater que essa compra é muito maior que isso. A cada nova informação eu fiz postagens questionando o impacto negativo que a mudança teria no cinema como um todo e, agora que chegamos a uma realidade onde essa compra aconteceu, resolvi fazer esse texto argumentando do porque essa compra é uma péssima noticia.

A primeira coisa que precisa ser entendida é que Disney dessa vez não está adquirindo Marvel Studios, ou Lucas Films, ou Pixar, que lançavam de um a dois filmes ao ano. O 20th Century Fox era um dos seis maiores estúdios de cinema de Hollywood e um dos mais antigos inclusive, com uma agenda que chegava a DOZE filmes por ano, a par com Warner, Paramount, Universal e a própria Disney. Eu disse “chegava” porque, de acordo com detalhes divulgados pelos grandes veículos da imprensa como a Variety, a partir do momento em que entrar para o guarda-chuva Disney, a Fox se tornará uma das marcas da gigante e terá uma agenda limita a no máximo QUATRO filmes ao ano, algo bem próximo do que os demais braços Disney podem lançar. E ainda não se sabe se esse número já vai contar os filmes do Fox Searchlight ou não.

São oito roteiros a menos conseguindo sair do papel, oito diretores a menos conseguindo realizar seus projetos, uma leva considerável atores não conseguindo sua oportunidade e um numero ainda maior de profissionais por trás das câmeras não conseguindo trabalho. Artisticamente e economicamente falando, a compra já é um desastre, e mais uma vez, desastre pra todo mundo que não é alto executivo com ações consideráveis de ambos os estúdios. É um desastre também para nós, espectadores, que não veremos esses projetos acontecerem, muitos deles filmes menores e mais artísticos que trazem variedade a arte num todo.

E não me entendam mal, eu amo um blockbuster, mas eu também amo filmes que são feitos sem a preocupação de bater os todos os quadrantes e alcançar os maiores números possíveis, o que me leva a outra questão. Enquanto a Disney tem se mantido firme na política de ser um estúdio de produções “para toda a família”, uma regra imposta sobre todos os seus braços, o 20th Century Fox navegou por águas onde ela jamais permitiu a seus criativos navegarem. Filmes de super-heróis com classificação para maiores de 18 anos, inclusão LGBTQ+ nesse mesmo gênero, longas com temática adulta, filmes de orçamento moderado/liberdade artística com potencial para serem Oscar content com o Fox Searchlight. A Disney como é hoje jamais produziria filmes como Logan, Deadpool, A Forma da Água, Três Anúncios para Um Crime, Perdido em Marte, Doze Anos de Escravidão ou até mesmo os filmes da franquia Alien. O quão permissível eles vão ser com a Fox uma vez que agora ela faz parte da marca Disney? E Deadpool e Logan? Poderão continuar Rated-R quando migrados para o Marvel Studios? Talvez isso fosse possível se continuassem sob a marca Fox, dentro do MCU eu duvido muito.

A verdade é que a única vencedora nessa historia é a Disney, com um estúdio concorrente a menos, uma biblioteca histórica de conteúdo para seu serviço de streaming e uma liderança garantida com larga vantagem. Nem a comunidade nerd pode se considerar vencedora até ver de fato o que será feito dos personagens que estavam na Fox. Perde o cinema, perde Hollywood, perde o exibidor com menos filmes no calendário, perde o espectador com uma variedade menor de conteúdo. Ah, e imediatamente, perdem os 4-5 mil funcionários fixos da Fox que não serão realocados na Disney. Enquanto fã do cinema e deste mercado, não estou comemorando o momento histórico vivido hoje.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Review: Coringa

Apesar de ter ganhado o renomado Festival de Cinema de Veneza, Coringa detém neste momento uma média de 69% por parte da crítica no Rotten Tomatoes. Algumas semanas antes de seu lançamento, uma polêmica surgiu baseada no receio do filme ser “irresponsável”, incentivar a violência ou o movimento Incel. A conclusão que cheguei após assistir ao filme é que a parcela da sociedade com essas reações não estava com medo do filme, ela estava ultrajada. Nada incomoda mais que o espelho. E é isso que Coringa coloca a nossa frente,um espelho do que uma sociedade decadente é capaz de fazer com seus cidadãos mais frágeis, uma sociedade que podemos reconhecer como quem vê o próprio reflexo.
Estamos acostumados a ir ao cinema para acompanhar a jornada do herói, clássica, que mostra os caminhos, os encontros e as oportunidades que elevam um ser humano ao status quo admirável, ao seu melhor. O que Todd Phillips fez aqui foi pela primeira (ou ao menos rara) vez apresentar a perfeita jornada do vilão,…

Ranking: Os Filmes de Super-Heróis de 2018

O gênero mais lucrativo de Hollywood teve um 2018 movimentado. Seis filmes foram lançados por diferentes estúdios, um numero que por pouco não foi maior antes da Fox adiar dois títulos para o ano que vem. Os resultados foram de bilheterias altas, reações mistas e universos cinematográficos se expandindo ainda mais. Dito isso, segue meu ranking dos lançamentos baseados em quadrinhos desse ano, do melhor ao pior:
1 – Pantera Negra Antes de mais nada, eu concordo com os argumento de que, retirando o impacto social, Pantera Negra é um filme de super heróis bem tradicional e com uma jornada do herói bem típica (além de um terceiro ato carregado a CGI). Porém o tamanho da representatividade que ele trouxe ao business de Hollywood, os paradigmas que quebrou e o evento cultural que estabeleceu são indiscutíveis, e se isso tudo eleva o material, mérito dele. Some isso a atuações incríveis, visuais dos mais criativos e um novo e interessantíssimo cenário a ser explorado no já gigantesco univers…